Preso suspeito de matar casal e colocar fogo na casa em que eles estavam, em Aparecida de Goiânia

Investigações indicam que foragido da Justiça do Paraná cometeu o crime para roubar uma das vítimas


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 04/07/2018 às 12:00:39

Suspeito morava com as vítimas uma semana antes de matar o casal (Foto: Divulgação)
Suspeito morava com as vítimas uma semana antes de matar o casal (Foto: Divulgação)

Um foragido da justiça do Paraná, segundo a Polícia Civil, foi quem matou, no final do mês passado, em Aparecida de Goiânia, um casal que morava no Setor Jardim Luz. Após assassinar o casal, o criminoso ainda ateou fogo na residência em que eles moravam.

Emerson de Souza Brito, de 40 anos, e Jussara Barbosa, de 28 anos, foram mortos por enforcamento em uma casa na Rua Sílvio Romero. Com braços e pernas amarradas, os corpos do casal foram encontrados por Bombeiros, que haviam sido acionados para combater um incêndio na residência, na tarde do último dia 23 de junho.

Após ouvir testemunhas e conhecidos das vítimas, a equipe do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Aparecida de Goiânia conseguiu identificar Ramiro Galvão da Silva, de 28 anos. Procurado pela Justiça do Paraná, onde responde por crime de roubo, Ramiro foi preso em Aparecida de Goiânia no último final de semana, e, durante depoimento, confessou o duplo homicídio.

“Pelo que apuramos até agora, Ramiro matou Emerson, que trabalhava com agiotas, e teria dinheiro guardado em casa, para roubá-lo. Ele mesmo confessou que matou o Emerson na noite de sexta-feira, dia 22, e a Jussara horas depois, assim que ela chegou em casa, já na madrugada do sábado”, relatou o delegado Rogério Bicalho, adjunto do GIH e responsável pelas investigações.

Para atear fogo na casa e nos corpos, ainda segundo o delegado, Ramiro, que estaria morando com o casal desde a quarta-feira anterior ao crime, espalhou velas acesas em pontos estratégicos do imóvel, e, ao sair, ainda trancou a porta e o portão com um cadeado. O delegado disse que solicitará, junto à Justiça, ainda esta semana, a transformação da prisão temporária dele em provisória.