Abuso de menores

Preso professor suspeito de estupro de vulnerável em Goiás e Pernambuco

Além de estupro de vulnerável, o professor é acusado de fornecer bebidas alcoólicas para menores e de favorecer a prostituição infantil em Piracanjuba. Crimes ocorreram em 2014


Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 14/08/2019 às 15:05:00

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um professor, de 40 anos, foi preso preventivamente na noite da última segunda-feira (12), em Piracanjuba, na região Sul do Estado. Brunno Raffael dos Santos Mota é acusado de estupro de vulnerável, de fornecer bebidas alcoólicas para menores e favorecer a prostituição infantil no município. Ele respondia em liberdade por esses crimes, que foram cometidos em 2014.

Agora, a prisão preventiva foi decretada porque a Justiça goiana recebeu a informação de que o professor praticava crimes do mesmo gênero em Olinda, Pernambuco. “Em julho, ele passou uma temporada na casa de amigos que moram na cidade e foi flagrado por câmeras de um elevador quando oferecia dinheiro para menores o beijarem”, disse o delegado responsável pelo caso, Leylton Barros.

Nas imagens é possível observar o momento em que o homem abre a carteira para oferecer o dinheiro. A Polícia Civil (PC) de Pernambuco já foi acionada e apura o caso. Até agora, a suspeita é de que cinco menores tenham sido vítimas de Brunno Raffael.

O delegado frisou que não há nenhum novo fato registrado em Piracanjuba. Mas o professor foi preso pois a condição que o mantinha em liberdade não foi cumprida. “Ele já responde por processo criminal e estava em liberdade. Para ficar solto, não poderia cometer novos crimes, o que não aconteceu, já que foi flagrado tentando pagar um garoto em troca de beijo. O suspeito foi preso ainda pelos crimes cometidos em 2014”, afirma.

Professor oferecia dinheiro em troca de beijo em Olinda. (Foto: Divulgação/PC)

Investigação

As apurações do caso de 2014 apontam que Brunno tenha vitimado cerca de 10 alunos, todos meninos, com faixa etária entre 12 e 17 anos. “Ele oferecia vantagens como presentes, celulares, viagens e até mesmo nota [escolar] às vítimas para conseguir a confiança delas e assim iniciar relação sexual”, disse Leylton.

À época dos crimes, o professor, que dava aulas na Rede Estadual de ensino, foi exonerado do cargo. Ele continuou atuando como professor e dava aulas de reforço pela internet. A prisão será comunicada à Polícia Civil de Pernambuco, que também investiga os crimes. Por isso, ele ainda pode ser indiciado pelos novos delitos.