Preso homem flagrado abusando de menina durante jogo do Brasil no Jardim Novo Mundo, em Goiânia

Segundo relatos da Polícia Militar, o detido teria tentado convencer os agentes a encerrarem o caso. Na ocasião, vítima de oito anos revelou que ele já tinha molestado a irmã de criação dela, de 9


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 18/06/2018 às 09:49:24

Segundo a vítima, homem também tinha molestado irmã mais velha, que também confirmou o crime (Foto: reprodução/PM)
Segundo a vítima, homem também tinha molestado irmã mais velha, que também confirmou o crime (Foto: reprodução/PM)

Enquanto a seleção brasileira de futebol tentava desempatar o jogo contra a Suíça pela Copa do Mundo da Rússia no domingo (17), um homem foi preso por estupro de vulneráveis no Jardim Novo Mundo. Ele, que é padrasto da mãe da garota, foi flagrado pelo irmão da vítima, de 12 anos, enquanto se masturbava e tocava as partes íntimas da criança.

Na ocasião, a menina, de 8 anos, revelou que o autor, em outra oportunidade, teria molestado também a irmã de criação, de 9 anos, a qual confirmou a denúncia. Preso em flagrante, Antônio Vitoriano de Lima, 56, confessou o crime, embora tenha afirmado a Polícia Militar (PM) que a situação teria sido uma “brincadeira”.

“A gente tava brincando e eu toquei nelas, não foi por maldade. Eu tava brincando com elas e elas tavam brincando comigo, então…(sic)”. De acordo com o registro policial, o homem ainda tentou fazer com que os agentes encerrassem o caso, deixando “por isso mesmo”.

Segundo relatos da criança mais nova, ele teria ainda esfregado o órgão genital em suas partes íntimas, além de ter tentando penetrá-la, razão pela qual ainda estava sentindo dor. Conforme expõe a ocorrência, Antônio tentou justificar o crime alegando que não mantinha mais relações sexuais com a esposa, avó – biológica e de criação – das meninas.

Ele está detido na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) e será conduzido a uma audiência de custódia na tarde desta segunda-feira (18). Apesar de estar na Deam, a investigação será assumida pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA),que ainda não recebeu formalmente o caso.