Eleições 2020

Presidente do PV Goiás e deputado disputam candidatura pelo partido em Goiânia

Cristiano Cunha e Eduardo Prado se dizem pré-candidatos. Nome deve ser definido em convenção

Política

Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 16/01/2020 às 16:18:04
Samuel straioto
Do Mais Goiás | Em: 16/01/2020 às 16:18:04

Cristiano Cunha e Eduardo Prado (Fotos: Divulgação e Denise Xavier)
Cristiano Cunha e Eduardo Prado (Fotos: Divulgação e Denise Xavier)

Cristiano Cunha, presidente estadual do Partido Verde (PV), disse ao Mais Goiás que ele deve ser o candidato do partido à Prefeitura de Goiânia. Ele, inclusive, deve lançar o nome no mês de março em evento programado pela legenda. Vale lembrar que, no passado, o deputado delegado Eduardo Prado (PV) já tinha manifestado interesse em disputar o paço municipal, mas o dirigente diz que a “candidatura é inviável, pois não tem apoio dos diretórios: estadual e federal”, sendo que ele teria esse apoio.

Segundo Cunha, Eduardo não tem conversado com ele e tem realizado ações sem consultar os dirigentes. “Como dizer que é candidato, sem nunca ter me consultado, por exemplo.” O deputado estadual nega e diz ter recebido essas informações com surpresa e estranheza. “Não falta diálogo”, garante o parlamentar, que afirma ter conversado com Cristiano em três oportunidades. “Inclusive, falei com ele sobre esse tema, entre novembro e dezembro passado, e ele não discordou. Essa discordância surge agora.”

Eduardo Prado cita que é o político mais bem votado da história do PV como vereador e o único deputado estadual da sigla. “Se ele tem pretensão pessoal de disputar, na hora da convenção a gente vai decidir. Sou o único lembrado nas pesquisas. Ele não tem voto. Nem mandato ele tem.” Para o legislador, essa visão é pequena, “de quem não quer que o partido cresça.”

Presidência estadual

Cristiano Cunha diz, também, que Eduardo Prado tem o interesse em ser presidente estadual do partido e tem ligado para vereadores do Estado e chamado para conversar no gabinete dele, na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). “Tem chamado sem falar com ninguém da estadual. Mas eu estou com a nacional e a nacional me garante”, afirma o presidente. O deputado nega: “Não pretendo tomar o partido de ninguém.”

Questionado se pretende ficar na legenda, o delegado afirma que sim e volta a dizer que será candidato a prefeito. “Só saio do partido se me expulsarem. Sou referência do partido em Goiás. Com meu nome, tenho certeza que ganho de Iris [Rezende (MDB)]”, prevê o legislador, apesar do emedebista ainda manter o suspense sobre sua candidatura. “Tenho história de credibilidade na Polícia Civil e na política. Não vejo nome melhor no PV que o meu.”

Valorização

Cunha relata, ainda, que faz parte do conselho da diretoria nacional desde 2011. “E o PV valoriza os da casa. Sempre fui secretário.” Cristiano é advogado e ex-secretário de pastas em Goiânia e Trindade. Ele assumiu, em julho passado, a presidência do PV Goiás.

Ele explicou que tem se reunido com membros da executiva nacional do PV, sendo a última conversa no último final de semana. Ele argumentou que há uma intenção real do partido em ter candidato, pois há muito tempo a legenda não apresenta nomes para uma disputa majoritária. “A direção nacional está animada com candidatura própria do PV em Goiânia”, relatou. Prado relata, também, que conta com o apoio de dirigentes do partido.

De saída

O Partido Verde pretende formar chapa a vereador em Goiânia. A intenção é que não seja uma disputa “pesada”. Para isso, foi estabelecido um teto potencial na ordem de 2,5 mil votos. Por este motivo, foi acordado que os vereadores Álvaro da Universo e Gustavo Cruvinel deixarão o partido, na janela de transferência prevista para abril.

Cristiano Cunha argumentou que a presença dos vereadores no PV dificultava a formação de chapa. Os parlamentares, por terem estrutura e capital político, poderiam tirar a oportunidade daqueles que serão candidatos e que não possuem mandato.

Ainda sobre as eleições de 2020, o presidente estadual do PV disse que o partido pretende lançar o maior número de candidatos a prefeitos e vereadores, em Goiás, a fim de fortalecer a sigla para 2022. “Ainda estou fechando com os municípios, estruturando para ver onde temos chance de candidatura.”

Segundo ele, cidades do entorno como Formosa e Valparaíso já estão garantidas. Cunha citou, ainda, Ipameri, Nerópolis e, claro, Goiânia, que conta com seu nome e o de Prado. “Candidaturas de vereador é possível que alcancemos pelo menos 200 municípios [dos 246].”