Funcionário fantasma

Presidente da Assembleia demite padre Luiz Augusto

Caberá agora ao padre apresentar recurso no prazo de até 120 dias.





//

O presidente da Assembleia Legislativa, Helio de Sousa (DEM), acatou na íntegra o parecer da comissão responsável pelo Processo Administrativo Disciplinar e demitiu o servidor padre Luiz Augusto Ferreira da Silva.

Hélio de Sousa teria 90 dias para definir a situação do padre, mas para evitar desgastes ele acatou na manhã de hoje o parecer da comissão.

Caberá agora ao padre apresentar recurso no prazo de até 120 dias.

Conhecido por arrastar multidões às suas missas, Padre Luiz foi admitido em 1980 na Assembleia Legislativa e, segundo denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), teria recebido até agora, R$ 3 milhões sem prestar os serviços pelos quais foi contratado. Porém, o montante a ser devolvido, segundo o MP, pode aumentar por conta de juros e multas.

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Eduardo Tavares dos Reis, determinou o bloqueio dos bens no valor de quase R$ 12,5 milhões do padre. Quando foi ordenado como sacerdote, em 1995, deixou de cumprir suas funções no poder público, mas continuou recebendo o salário, que atualmente é de R$ 11,8 mil bruto.