Foragida

Presa em Rio Verde condenada por mandar matar marido para ficar com seguro de vida

A mulher recebeu pena de 15 anos de prisão em regime fechado, mas estava foragida. Crime ocorreu em 2015, em Cezarina

Cidades

Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 24/01/2020 às 10:16:55

Uma mulher foragida da Justiça pelo envolvimento no assassinato do marido foi presa, nesta quinta-feira (23), em Rio Verde. (Foto: Reprodução)
Uma mulher foragida da Justiça pelo envolvimento no assassinato do marido foi presa, nesta quinta-feira (23), em Rio Verde. (Foto: Reprodução)

Uma foragida da Justiça pelo envolvimento no assassinato do marido foi presa, nesta quinta-feira (23), em Rio Verde, na região Sudoeste do estado. Litiely Gonçalves Silva Almeida foi acusada de mandar matar o então companheiro para ficar com o seguro de vida do homem. Ela foi condenada a 15 anos de prisão em regime fechado, mas fugiu. O crime ocorreu em 2015, em Cezarina.

A mulher, segundo a Polícia Militar (PM), foi encontrada em uma quitinete, no Jardim Cruvinel, após denúncia anônima e troca de informações entre o Comando de Operações Especiais (CPE) de Jataí e Rio Verde. Conforme expõe a corporação, a mulher que já se escondeu em diversas cidades, vivia com o atual namorado. Ela, de acordo com a PM, não saía de casa e era bancada pelo companheiro, que passou a ser vigiado pela Polícia.

Segundo consta no boletim de ocorrência, os militares foram recebidos pelo namorado da foragida. O casal não ofereceu resistência e a condenada foi presa.

Relembre

Litiely foi condenada, em 2019, por mandar assassinar o marido, Jorge Fernando Almeida Oliveira Silva, com quem foi casada por dois anos. À época as investigações apontaram que a mulher possuía um relacionamento extraconjugal com Vinícius Martins Fernandes. Ela teria pedido que o amante matasse o marido para ficar com o dinheiro do seguro de vida dele.

Enquanto a mulher fugiu, o ex-amante, que também foi condenado, foi preso e cumpre pena de 15 anos de reclusão. O Mais Goiás tenta contato com a defesa de ambos. O espaço está aberto para manifestação.