Cultura

Prefeitura lança o Prêmio de Culturas Afro-brasileiras

Lançamento do prêmio ocorreu na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás e teve a participação da Ministra da Cultura, Marta Suplicy




O edital do Prêmio de Culturas Afro-brasileiras foi lançado durante um evento realizado na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, na manhã desta terça-feira (07/10). O evento contou com a presença do prefeito Paulo Garcia (PT), da Ministra da Cultura, Marta Suplicy, do presidente da Fundação Cultural Palmares, Hilton Cobra, de representantes de comunidades afro-brasileiros e da sociedade civil.

Durante o lançamento do edital, que visa reconhecer e apoiar iniciativas culturais realizadas por comunidades quilombolas, religiosas de matriz africana e coletivos negros; representantes da Comunidade Quilombola João Borges Vieira de Uruaçu apresentaram uma pouco da cultura africana através da dança folclórica.

O prefeito Paulo Garcia, durante seu discurso, ressaltou que os projetos municipais promovem atividades educativas e culturais que visam ao resgate da identidade, a valorização da cultura negra e a superação do racismo. “Com o apoio do governo federal, conseguimos lutar com mais armas contra a discriminação racial em Goiânia. Queremos fortalecer a luta pela construção de uma sociedade pautada pelo respeito e valorização da diversidade. Por isso, é tão importante para nós apoiarmos este prêmio”, concluiu o prefeito.
 
“A identidade de uma nação se faz com a raiz dessa nação. Nós somos um Brasil de diversidades e precisamos trabalhar também em prol dela”, disse a ministra Marta Suplicy durante o evento. A representante do governo federal destacou a importância da luta diária contra a discriminação dos grupos excluídos da sociedade. Grupos LGBTT, ciganos, comunidades afro-descendentes, índios e mulheres têm sido privilegiados pelo Ministério da Cultura nos últimos anos. “O apoio da prefeitura é muito importante e indispensável. Vamos trabalhar juntos com as oficinas de artes para que consigamos atender a todos”, afirmou Marta.
 
Para a secretária municipal de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial, Ana Rita de Castro, o edital é um reconhecimento da população afro-brasileira, um povo que merece ser valorizado, que luta pelos seus direitos e que sofre com a discriminação racial. Ana Rita trabalha em prol dessa parcela da população e, através de seminários, palestras, oficinas e atividades culturais, luta pela valorização desta cultura e deste povo.

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Hilton Cobra, avaliou que é preciso mostrar a cultura africana para todos. “Esse edital vai proporcionar a visibilidade da cultura afro-brasileira. Hoje, somos cerca de 110 milhões de negros no país e é preciso acabar com a discriminação racial. Precisamos proporcionar, cada dia mais, conhecimento cultural à população”, destacou Cobra.

O Prêmio de Culturas Afro-brasileiras é uma parceria entre a Fundação Cultural Palmares a Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural. Mais informações podem ser obtidas pelo endereço eletrônico [email protected], fazendo constar no campo assunto “Edital Prêmio de Culturas Afro-Brasileiras” e pelo site http://www.palmares.gov.br.

Prêmio
O concurso vai premiar atividades nas áreas de literatura, música, artes plásticas e cênicas. A proposta é investir nas expressões culturais desenvolvidas por essas comunidades e garantir seu acesso aos mecanismos de fomento à cultura. As inscrições para o Prêmio de Culturas Afro-brasileiras estão abertas até 06 de novembro, via Correios ou internet (SalicWeb). O valor total da premiação é de R$ 2,5 milhões, oriundos da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC/MinC), que serão distribuídos da seguinte forma:

I) 20 prêmios para cada iniciativa das comunidades quilombolas, no valor de R$ 40.000 (quarenta mil reais);

II) 20 prêmios para cada iniciativa dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana, no valor de R$ 40.000 (quarenta mil reais);

III) 20 prêmios para cada iniciativa dos coletivos culturais negros, no valor de R$ 40.000 (quarenta mil reais).

A premiação está dividida em três categorias: Iniciativa Cultural Quilombola; Iniciativa Cultural de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana e Iniciativa Cultural de Coletivos Culturais Negros. Estão aptas a participar pessoas físicas e jurídicas que realizam atividades culturais voltadas para comunidades e/ou expressões quilombolas, de povos e comunidades de matriz africana e outros bens culturais afro-brasileiros.