Mobilidade

Prefeitura de Aparecida quer implantar 20 km de ciclovias e 40 km de calçadas acessíveis

Para o secretário Mário Vilela, o projeto representa o pontapé inicial para mudança de cultura em relação a igualdade de oportunidades


Karla Araujo
Do Mais Goiás | Em: 01/08/2017 às 15:54:46

Calçadas com mecanismos de acessibilidade (Foto: Enio Medeiros)
Calçadas com mecanismos de acessibilidade (Foto: Enio Medeiros)

Como forma de garantir mais segurança e conforto a todos os cidadãos em seu direito básico de ir e vir dentro da própria cidade, a Prefeitura de Aparecida iniciou na última semana as obras de implantação do Projeto de Acessibilidade do município. Para isso serão construídos mais de 40 quilômetros de calçadas com todos os mecanismos de acessibilidade para idosos e pessoas com deficiência e também cerca de 20 quilômetros de ciclovias interligando diversos bairros da cidade.

O projeto, que também prevê a construção de cerca de 20 quilômetros de paisagismo ao lado dos novos calçamentos, terá um custo total de R$ 12 milhões, provenientes de parcerias com o Governo Federal e a Corporação Andina de Fomento (CAF).

Segundo o secretário de Infraestrutura, Mário Vilela, a proposta de construir os calçamentos adaptados tem um imenso valor pois representa um pontapé inicial que a prefeitura dá para uma mudança cultural de nossa sociedade no sentido de compreender a importância de todos em zelar pela igualdade de oportunidades. Ele lembra que desde a publicação do decreto-lei 5296, de 2 de dezembro de 2004, que regulamenta a Lei de Acessibilidade e que criou normas e critérios para garantir prioridade no atendimento às pessoas com deficiência, o país deu um salto enorme na promoção da acessibilidade.

“Quando se fala em Mobilidade Urbana é inevitável a lembrança dos Eixos Estruturantes. Mas o conceito de mobilidade deve atingir a todos e a Prefeitura tem toda preocupação de torna Aparecida cada vez mais inclusiva”, lembra Mário Vilela.

“É claro que a construção de calçadas é responsabilidade dos proprietários dos lotes e imóveis, mas o poder público também precisa fazer o dever de casa, criando todos os mecanismos para promover este direito de ir e de vir de todos”, pontua.

Mário Vilela explica que o projeto está dividido em três frentes. A primeira é a do Eixo Norte Sul 04 (ENS-04), onde estão sendo construídos 3,7 quilômetros de calçadas acessíveis e 2,7 quilômetros de ciclovia. A segunda frente é a do Corredor Leste-Oeste, que prevê a construção de 21,6 quilômetros de calçamento adaptado e de 5,7 quilômetros de ciclovias.

A terceira frente responde pela construção de 13,6 quilômetros de calçadas acessíveis e 11,1 quilômetros de ciclovias por toda a extensão do Eixo Norte-Sul 01 (ENS-01). Vale lembrar que as calçadas estão recebendo soluções de sinalização com cores vibrantes e sinais táteis e sonoros, pisos antiderrapantes; além de rebaixamentos que permitem fácil e segura locomoção de todos os cidadãos.

O trajeto da ciclovia contempla algumas das principais vias que interligam diversos bairros ao Centro como: Avenida Guaratins, Avenida Antônio Elias Lisboa, Avenida Sampaio Vidal,  Avenida Tamoios, Avenida Santana, Avenida Abraão L. de Carvalho, Avenida Dom Abel Ribeiro, Avenida Independência, Rua Dom Barbosa; Rua 20, Avenida Atlântida, Avenida  Benedito S. de Toledo, Ria 01, Ria 21 de Abril, Rua 43, Rua 45, Avenida 21 de Abril, Avenida C, Avenida Alântica e Avenida Tropical.