Prefeito de São Simão fica em silêncio em depoimento e investigação continua

Ao Mais Goiás, prefeitura afirmou que acusações são infundadas e que seriam esclarecidas

Prefeito de São Simão fica em silêncio em depoimento e investigação continua
Francisco de Assis (PSDB), prefeito de São Simão (Foto: Reprodução/Facebook)

O prefeito de São Simão Francisco de Assis Peixoto (PSDB) permaneceu em silêncio durante depoimento ao Ministério Público de Goiás (MP-GO), na quinta (29). O gestor foi preso na quarta-feira (28), durante Operação Paideia, suspeito de envolvimento em crime contra a dignidade sexual (abuso sexual) de menor de idade. Ao todo, seis vítimas fizeram denúncias ao órgão.

Ficar em silêncio é direito constitucional. Vale lembrar, na quinta (29) o Mais Goiás entrou em contato com a prefeitura de São Simão, que informou por meio de uma nota que “são acusações infundadas, que serão esclarecidas ao longo das investigações”.

Segundo informações do MP-GO as investigações devem ser concluídas na próxima semana. Inclusive, o órgão afirma que está à disposição para novas denúncias e depoimentos de possíveis vítimas. Estas podem procurar o órgão pelo sistema MP Cidadão, bem como pelos telefones da Promotoria de Justiça de São Simão (64 3658-1242 e 64 99347-4647) em total sigilo.

O processo está em segredo de Justiça e, por isso, o órgão não pode fornecer mais detalhes.

Caso

Durante a prisão, na quarta, foram cumpridos também três mandados de busca e apreensão. Participaram da operação 4 promotores de Justiça, 4 delegados da Polícia Civil e 12 policiais civis. O Centro de Inteligência do MP-GO apoiou a operação.

Uma das supostas vítimas do prefeito, o jornalista Luís Manuel Araújo, se manifestou sobre o caso nas redes sociais. Em uma postagem, ele afirmou que fez a denúncia ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) e que sofreu abusos sexuais entre os anos de 2001 e 2007, quando tinha 9 anos.

Segundo o comunicador, por conta do crime, desenvolveu graves transtornos mentais e toma remédios para tratar os traumas causados pelos abusos. “A cidade merece essa minha satisfação. Dinheiro não me compra, eu já defendi muito ele, agora estou enfim liberto dessa sombra na minha vida.”

Leia também: Mãe diz que gestor de São Simão fez videochamada e mostrou genitálias a seu filho