Aulus Rincon
Do Mais Goiás

Prefeito de Lagoa Santa é suspeito de receber diárias de forma ilegal e fraudar licitações

Justiça determinou imediato afastamento dele e de outros sete servidores do município

Advair Gonçalves Macedo, prefeito de Lagoa Santa (município que fica distante 428 km de Goiânia), foi afastado do cargo junto com outros sete servidores após a Polícia Civil encontrar irregularidades em licitações, e em diárias de viagens que teriam sido pagas de forma indevida. As investigações apontam que o município, apesar de ter pouco mais de 1,4 mil habitantes, era o que mais gastava em Goiás com supostas viagens do prefeito, e de alguns servidores.

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (DERCAP) começou a investigar o prefeito após receber uma denúncia anônima. Os agentes, então, constataram que o município gastou, somente em um ano, R$ 500 mil em diárias.

“Nós descobrimos que todo esse valor foi repassado diretamente ao prefeito, que não conseguiu apresentar nenhum recibo, e que alegou ter se hospedado em hotéis que, constatamos, não tinha nenhuma reserva feita em nome dele, ou da prefeitura”, descreveu o delegado Cleybio Januário, da DERCAP.

O esquema criminoso, segundo o delegado, funcionava há pelo menos cinco anos, e contava com o envolvimento de outros sete servidores, que, junto com o prefeito, tiveram seus afastamentos determinados pelo Tribunal de Justiça de Goiás. A justiça também decretou o bloqueio de R$ 5 milhões dos investigados.

O prefeito, alguns servidores, e dois empresários são investigados, também, por suspeita de direcionamento de licitações para que apenas empresas ligadas ao grupo se sagrassem vencedoras no certame. Durante operação desencadeada nesta terça-feira (15), os agentes da DERCAP cumpriram 16 mandados de busca e apreensão em Lagoa Santa, e Itarumã. Um dos suspeitos foi autuados em flagrante por posse ilegal de arma de fogo, já que a polícia encontrou, na casa dele, um revólver, e uma espingarda sem registros.

Além do prefeito e dos sete servidores, outras sete pessoas também estão sendo investigadas. Caso o esquema seja comprovado, eles serão indiciados por fraude a licitação, associação criminosa, e peculato. A assessoria do prefeito de Lagoa Santa ainda não se pronunciou sobre as denúncias.

Veja imagens cedidas pela polícia:

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)

Operação da Polícia Civil em Lagoa Santa, município de Goiás (Foto: PC)