DIVERGÊNCIA

Prefeito de Iporá diz que Caiado dita regras e não ouve gestores municipais

Naçoitan Leite reclama que decreto estadual sobre a Covid não leva em conta diferenças das regiões


Samuel straioto
Do Mais Goiás | Em: 01/07/2020 às 10:34:03

Prefeito de Iporá Naçoitan Leite (PSDB) (Foto: Divulgação)
Prefeito de Iporá Naçoitan Leite (PSDB) (Foto: Divulgação)

O prefeito de Iporá, Naçoitan Leite (PSDB) discorda do novo decreto estadual que orienta o fechamento de atividades consideradas não essenciais por 14 dias. O gestor municipal reclama que o governador Ronaldo Caiado (DEM) não levou em consideração a opinião de prefeitos e as diferenças entre as regiões do estado.

Naçoitan argumentou que em Goiânia ou em outra grande cidade do estado a realidade é diferente de Iporá ou outro pequeno município. O prefeito defende a flexibilização de atividades econômicas na cidade. No entanto, a Justiça negou em segunda instância, um pedido da Prefeitura de Iporá para que o comércio fosse reaberto.

A decisão foi proferida no mês passado pelo Desembargador Guilherme Gutemberg Isac Pinto. Cabe agora a Prefeitura esperar que o Tribunal de Justiça julgue o mérito do processo. Enquanto isso, o comércio prossegue fechado, excetuando os de serviços essenciais. O prefeito de Iporá argumenta que o município se preparou para enfrentar a pandemia com aumento da estrutura hospitalar.

“Estamos preparados com respiradores, com leitos de UTI. Nós não estamos brincando com esse vírus, estamos levando a sério. Agora da forma como o governador fez, ele quebrou o estado de Goiás e quebrou todos os comerciantes do interior. É uma lástima. O problema maior de agora para frente é a fome, já que o desemprego é total. Goiânia não, tema mais empregos, Rio Verde, outras grandes cidades, mas nas outras cidades do porte de Iporá não tem emprego”, argumentou.

Oposição

Naçoitan Leite tem sido uma das vozes mais duras da oposição ao governador durante a pandemia da Covid-19. Ele disse que não concorda em nada com as colocações feitas por Ronaldo Caiado.

“Com esse ditador eu não concordo. Esse governo é ditador. Tudo o que ele falar eu não concordo, ele dita regras, não discute.

Repasse

O prefeito de Iporá reclamou ainda que a Secretaria Estadual de Saúde está com atrasos nos repasses desde o ano passado. “A Secretaria de Saúde deve aqui para nossa secretaria municipal repasses de R$ 1,549 milhão. Se não nos atrapalhar já está bom demais, porque além de não nos pagar causam este transtorno”, reclamou.

Resposta 

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informou por meio de nota que realiza regularmente os repasses ordinários para todos os 246 municípios goianos. Os valores são pagos de maneira democrática, sem priorização de nenhuma cidade. Em 2019, foi repassado para Iporá um valor de R$ 2.068.549,50 referente a contrapartida. Em 2020, o valor já repassado é de R$ 1.039.989,00.
A SES-GO ressalta que, nesta gestão, não há pendências financeiras para nenhum município goiano. As dívidas para o município citado foram deixadas pela gestão anterior, ligada ao prefeito de Iporá, que repassou em todo ano de 2018 apenas R$223.988,00.
A pasta ressalta seu compromisso de fortalecimento da saúde em todos os municípios do Estado de Goiás, cumprindo o calendário de repasses ordinários e ampliando a rede de saúde estadual com a  regionalização da saúde. No entanto, ainda não há previsão para pagamento das dívidas deixadas pela gestão anterior.​
Atualizada às 14:40 hs