Larissa Lopes
Do Mais Goiás

Portaria prevê que matrículas para turmas presenciais de EJA sejam suspensas em Goiás

Contudo, Seduc afirma que erros ortográficos podem ter levado ao mal entendimento e que se trata, na verdade, de uma ampliação do programa

No último dia 1º de agosto a Secretaria de Educação (seduc) soltou portaria que suspende matrículas no segundo semestre de 2019 para turmas presenciais do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). No documento consta que a medida é para a reelaboração de políticas educacionais na modalidade de ensino.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nesse contexto, as turmas seriam apenas no modo de Ensino à Distância (EAD). O assunto levantou debates de professores da rede estadual de ensino em grupos de redes sociais. Os profissionais da educação reiteram que, em certos casos, o parte do público do EJA não possui habilidades ou aparelhos tecnológicos nas residências.

“A maioria dos alunos do EJA não têm acesso a computadores em casa, não possuem internet e não detém de conhecimentos tecnológicos suficientes”, diz uma professora.”Nem mesmo as escolas têm uma rede boa e computadores suficientes”, completa.

Em contrapartida, a Seduc  afirma “que erros de ortografia podem ter ocasionado o mal entendido em relação à portaria”. E que apenas serão suspensas as turmas em alguns colégios. Isso porque o contrato para oferecer a modalidade chega ao fim. A secretaria diz, ainda, que turmas não serão suspensas, mas haverá uma ampliação quanto às modalidades de ensino, que passarão a ser além de presenciais, também à distância.

Contudo, não forneceu mais dados sobre a quantidade de estudantes afetados ou maiores detalhes sobre a mudança. Isso porque a matéria foi produzida neste sábado (3) e não há acesso ao sistema do órgão.

Pelas redes sociais, professores já divulgaram que na segunda-feira (5) vão se reunir para manifestar contra a medida. O ato está previsto para 19h30 no Colégio Estadual Santa Berrnadete, no setor Leste Vila Nova, em Goiânia.