Economia

Portabilidade de crédito entre bancos é opção para facilitar financiamento de imóveis

Conceito já amplamente usado nos mercados de telefonia fixa e móvel, o que possibilita um maior poder de negociação aos clientes destes serviços


Thiago Burigato

Do Mais Goiás | Em: 16/05/2017 às 12:13:23


A portabilidade de crédito existe no País desde setembro de 2006, mas somente em 2013 com Resolução 4.292 do Banco Central é que foi regulamentada (Foto: Reprodução)
A portabilidade de crédito existe no País desde setembro de 2006, mas somente em 2013 com Resolução 4.292 do Banco Central é que foi regulamentada (Foto: Reprodução)

Em épocas de crise, alternativas que facilitem o financiamento da casa própria são sempre bem-vindas. Uma das opções, que poucos consumidores conhecem, é a portabilidade de crédito, um conceito já amplamente usado nos mercados de telefonia fixa e móvel que possibilita um maior poder de negociação aos clientes destes serviços.

A portabilidade de crédito existe no País desde setembro de 2006, mas somente em 2013 com Resolução 4.292 do Banco Central é que foi regulamentada. Com isso ficou mais fácil para clientes de instituições bancárias transferirem seus empréstimos ou financiamentos para outros bancos, e assim, conseguir taxas de juros mais atrativas. O instrumento pode trazer muitas vantagens ao consumidor, principalmente em contratos de longo prazo, como os financiamentos imobiliários.

O especialista em mercado imobiliário e diretor da URBS-RT Lançamentos Imobiliários, Ricardo Teixeira, explica que o principal objetivo da portabilidade de crédito é oferecer ao consumidor a possibilidade de reduzir sua dívida. “Hoje o fator que mais pesa na hora de fazer um financiamento imobiliário é a taxa de juros. Ninguém quer pagar um juro alto”, diz.

Ele acrescenta que a portabilidade permite que o consumidor migre a sua dívida para o banco que oferecer menores taxas, mas poucas pessoas ainda usam pouco a portabilidade de crédito. “A resolução [do Banco Central] é ainda recente e as pessoas ainda não se acostumaram com a prática”, argumenta o executivo.

Menos juros

O especialista lembra que o instrumento da portabilidade de crédito, não só incentiva o princípio da livre concorrência entre os bancos, mas também força a queda dos juros praticados no mercado. “Num cenário de juros altos, o comprador que precisar do financiamento sempre ficará inseguro, pois sabe que pode ter pela frente uma dívida a longo prazo, mas isso muda com a resolução da portabilidade, porque o cenário econômico muda com o tempo e ele poderá pesquisar um outro banco que ofereça uma melhor possibilidade de financiamento”, ressalta.

Em sua visão, o momento atual do mercado imobiliário é  interessante para se fazer uso desse benefício: os imóveis estão com preços estáveis e há quem está adiando a compra na expectativa de uma baixa dos juros nos financiamentos imobiliários – que deverá baixar nos próximos meses em função da baixa da Taxa Selic. Por outro lado, ao esperar este momento, o consumidor pode perder os preços, que também tem projeção de alta nos próximos meses. “O ideal é que o consumidor aproveite os valores de hoje e faça seu financiamento. Se as taxas caírem, ele pode fazer a portabilidade de seu financiamento para o banco que oferecer melhores taxas”, explica.