REAÇÃO

Políticos brasileiros reagem à invasão do Capitólio, nos EUA

"É inadmissível em qualquer sistema eleitoral do mundo", diz vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 06/01/2021 às 18:08:08

Capitólio dos Estados Unidos sob invasão (Foto: Reprodução/Twitter)
Capitólio dos Estados Unidos sob invasão (Foto: Reprodução/Twitter)

Políticos brasileiros reagiram à invasão do Capitólio, nos EUA, por manifestantes pró-Trump, que interromperam a confirmação da vitória de Joe Biden no Congresso. Ao Mais Goiás, o vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota (Cidadania), afirmou que a situação “é inadmissível em qualquer sistema eleitoral do mundo”.

“Eu sou uma pessoa extremamente favorável ao processo democrático. Então é difícil olhar uma situação como essa e não ficar triste. Não pode existir isso. As urnas falaram dentro do processo eleitoral dos EUA, o presidente foi eleito, então só nos resta ficar estarrecidos. E torcer para a justiça e democracia possam sair fortalecidas com esse processo”, concluiu.

Lincoln Tejota (Foto: Divulgação)

Ex-prefeito de São Paulo e ex-presidenciável, Fernando Haddad (PT), disse que sabia que o ex-presidente Trump tentaria ficar a todo custo.

“Tinha muita certeza de que Trump ia perder e tentar ficar a todo custo”, escreveu no Twitter e lembrou uma postagem antiga: “Por ação ou omissão deixam um fascista chegar ao poder. Depois, veem a dificuldade de tirá-lo por meios democráticos. O pior cenário é Trump perder e ficar. Os fascistas vão se assanhar em todo mundo. Se ele ganhar, o problema permanece sem solução por mais quatro anos.”

Deputado federal do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo (PSOL) afirmou: “Milícias armadas, bandeiras dos confederados, só falta o bando de Trump colocar capuzes brancos e incendiar cruzes na frente do Capitólio.”

“Trump semeia sua narrativa golpista desde o início das eleições presidenciais, falando em fraude na contagem dos votos. Bolsonaro começou a sua conspiração com 2 anos de antecedência, atacando a urna eletrônica. Temos que deter marcha do golpe e defender a democracia brasileira”, escreveu, ainda.

Já o senador goiano Jorge Kajuru (Cidadania) divulgou a invasão e postou um vídeo. Confira:

O Mais Goiás também checou as redes do presidente Bolsonaro (sem partido), do governador Ronaldo Caiado (DEM) e de outros goianos. Eles ainda não tinham se manifestado.

Situação

Um grupo de manifestantes pró-Trump invadiu o prédio do Congresso, onde ocorria a sessão que deve confirmar a vitória de Joe Biden na eleição presidencial de novembro. A sessão foi suspensa, e o vice-presidente Mike Pence, que comandava o ato, foi levado para um local seguro.

— Isso foi o que vocês conseguiram caras! — disse o senador Mitt Romney ao deixar o plenário, aparentemente se dirigindo aos colegas que apoiaram a tentativa de Trump de derrubar os resultados do Colégio Eleitoral, segundo o New York Times.

Segundo testemunhas, há manifestantes armados dentro do prédio, e alguns deles tentam invadir o plenário da Câmara, onde ainda estão alguns deputados. A polícia está no local e tenta retirá-los para um local mais seguro.

Durante o protesto, inclusive, uma mulher foi baleada. Ela estaria em estado crítico após ser atingida na região do peito.

A vítima dos disparos ainda não foi identificada. O caso ocorreu na no protesto de eleitores do republicano Trump no Capitólio, sede do Congresso americano, local onde ocorria o evento de certificação do presidente democrata Biden e da vice, Kamala Harris, e que foi invadido pelos manifestantes.

Trump

Em sua última postagem, Trump pediu paz e pela não violência. “Estou pedindo a todos no Capitólio dos EUA que permaneçam em paz. Sem violência! Lembre-se, NÓS somos o Partido da Lei e da Ordem – respeite a Lei e nossos grandes homens e mulheres em Azul. Obrigado!”