Colisão

Policial Rodoviário morre em acidente na BR-050

Viatura colidiu com um caminhão cegonha, que tentava uma ultrapassagem




Uma ultrapassagem errada terminou com a morte de um policial rodoviário federal na tarde deste sábado (27) na BR-050, em Campo Alegre de Goiás, na região sudeste do Estado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um caminhão cegonha tentou ultrapassar um outro veículo de carga, momento em que acabou colindindo com a viatura, que vinha em sentido contrário.

Ainda de acordo com a PRF, o policial tinha 31 anos estava em Guaíra, na fronteira com o Paraguai, onde integrava a equipe de reforço da operação Olimpíadas. Ele seguia para a sua casa, em Teresina (PI).

O policial chegou a ser socorrido por um médico que passava pelo local do acidente e foi encaminhado para o hospital de Catalão, mas ele não resistiu e foi a óbito. Outro policial, que conduzia a viatura, sofreu lesões leves e está em observação na unidade de saúde.

Os policiais, informou a PRF, haviam encerrado suas participações no Cinturão de Policiamento e Fiscalização de Fronteira na área de Guaíra, em ações da Operação Olimpíadas. Após um dia de folga, eles estavam se deslocando em comboio com mais uma viatura para sua cidade de origem.

As duas viaturas PRF seguiam a via sentido Brasília, enquanto o caminhão cegonha vinha na direção contrária. O veículo de carga iniciou uma ultrapassagem mal calculada, sem segurança, forçando a viatura, que seguia em sentido oposto, a desviar sua trajetória para evitar a colisão, o que não foi possível.

No momento da colisão, duas carretas cegonha ultrapassavam um terceiro caminhão. A primeira conseguiu concluir a ultrapassagem e retornar a sua faixa de origem, mas a segunda, que seguia logo atrás, não concluiu a manobra em tempo hábil.

Em nota, a PRF lamentou a morte do policial e ressaltou que luta dos servidores é “diária e incansável”, para evitar que fatos como este aconteçam. “Como seres humanos, todos nós, policiais rodoviários federais, nos sentimos enlutados e consternados com a perda de um parceiro de trabalho, um profissional e, para muitos, um amigo que ombreava conosco a lida do dia a dia.”