Do Mais Goiás

Policial militar é indiciado por morte de soldado da FAB em blitz, em Anápolis

De acordo com a corporação, um dos policiais disparou no abdome da vítima a poucos metros de distância

PC indicia policial por morte de soldado da FAB em Blitz, em Anápolis
Guilherme Souza Costa, de 19 anos, foi morto pela Polícia Militar (PM) após fugir de uma blitz em Anápolis (Foto: Redes Sociais)

A Polícia Civil (PC) indiciou um policial militar pelo homicídio do soldado da Força Aérea Brasileira (FAB) Guilherme Souza Costa, morto a tiros depois de tentar fugir de uma blitz na cidade de Anápolis, a cerca de 60 km de Goiânia. O caso aconteceu na noite do dia 4 de março, na Avenida Universitária.

De acordo com a PC, os três PMs responsáveis pelos disparos foram identificados depois de análise das armas apreendidas e dos projéteis retirados do corpo da vítima. Dois deles estavam na frente de Guilherme e, segundo a corporação atiraram na direção das rodas da motocicleta.

O laudo mostrou também que o terceiro policial estava ao lado da vítima e efetuou disparos que atingiram a região do abdome e uma das pernas a uma distância de poucos metros. Foi esse disparo no abdome, ainda de acordo com a corporação, que matou o jovem.

Os policiais estão detidos em um presídio militar desde o dia 16 de março. Por meio de nota, a Polícia Militar informou que eles foram afastados pela Corregedoria e que estão à disposição da Justiça.

A defesa dos PMs afirmou ao portal G1 que os PMs envolvidos colaboraram a todo o momento para ajudar na elucidação dos fatos. Eles informaram ainda que confiam “na Justiça e aguarda que esta seja feita em relação aos militares, os quais estavam e sempre estarão a serviço da sociedade”.

Relembre o caso

Conforme relato da PM, o soldado não parou em uma blitz de trânsito e, logo percebeu que os policiais estavam atrás, teria jogado a moto em cima dos carros da polícia, mas foi atingido por disparos feitos pelos agentes.

Ainda segundo a Polícia Militar, a perseguição aconteceu por cerca de 5 km antes de ser feita a primeira tentativa de abordagem. O soldado chegou a ser socorrido e levado para o Hospital de Urgências de Anápolis (Huana), mas a morte foi confirmada pela unidade médica.

Apesar do relato da PM, a família afirma que o jovem não tinha passagem e nenhum envolvimento com o crime.

Em nota, a FAB disse que a arma encontrada com o soldado não pertence à corporação e ainda informou que colabora com as investigações.

Sobre a arma supostamente encontrada com o soldado, o laudo feito pela PC informou que “não foram reunidos elementos de informação para corroborar nem refutar tal alegação dos militares”.