Fake news

Policial Civil de Goiás é um dos suspeitos promover ataques contra STF na internet

Omar Rocha Fagundes e outras seis pessoas foram alvos de mandados de busca e apreensão nesta terça (16)


Artur Dias

Do Mais Goiás | Em: 16/04/2019 às 17:02:57


(Foto: Reprodução/Facebook)
(Foto: Reprodução/Facebook)

Um dos alvos dos mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal (PF) nesta terça-feira (16) mora em Goiás e é policial civil. Omar Rocha Fagundes é um dos suspeitos de promover ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e a os ministros pelas redes sociais.

O inquérito que investiga esses ataques é conduzido pelo ministro Alexandre de Morais. Ele apura a publicação de fake news, ameaças e ofensas contra o tribunal. Além de Omar, outras seis pessoas são investigadas. Entre elas, o general da reserva Paulo Chagas, que foi candidato ao governo do Distrito Federal em 2018.

Uma das postagens de Omar que são apuradas pela justiça afirma que o STF seria “bolivariano” e que os ministros estariam alinhados com “narcotraficantes e corruptos”.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Em outra, ele compartilha uma postagem com a seguinte afirmação “O Peru fechou a corte suprema do país. Nós também podemos! Pressão total contra o STF”.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Além dessas manifestações, é possível verificar uma série de postagens contra o STF e seus ministros. Em uma delas, ele convoca a população a participar de uma manifestação contra a corte e em defesa da Operação Lava-Jato.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Procurada pelo Mais Goiás sobre a postura do órgão com relação ao suspeito, a Polícia Civil afirmou que “aguarda informações oficiais acerca da investigação do Supremo Tribunal Federal, a fim de apurar eventual desvio de conduta do servidor em tela”.

O Mais Goiás tentou contato com Omar por meio das redes sociais, mas até o fechamento da matéria não houve contato. O espaço está garantido nesta publicação caso o policial queira se manifestar.

O inquérito

O inquérito no qual são realizadas as buscas e apreensões desta manhã foi instaurado em março pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, via ofício – sem provocação de outro órgão. O Ministério Público não participa da investigação. O ministro Moraes foi escolhido por Toffoli para presidir o inquérito sem sorteio  e isso motivou críticas de outros membros do tribunal.

Nesse mesmo procedimento, Moraes determinou a retirada do ar de reportagem e notas publicadas na semana passada pelos sites da revista Crusoé e O Antagonista. Os textos noticiavam a existência de um e-mail do empresário e delator Marcelo Odebrecht em que, conforme um esclarecimento dele, havia uma menção a Toffoli.

Moraes considerou que a reportagem de Crusoé era inverídica porque relatava que o esclarecimento prestado pelo delator havia sido remetido à Procuradoria-Geral da República. Após a publicação da matéria, a PGR divulgou nota dizendo que não havia recebido o esclarecimento. No entanto, ele chegou a fazer parte de um inquérito da Lava Jato em Curitiba.

*Com informações de Agências de Notícias