Do Mais Goiás

Polícia prende homem por operar fábrica clandestina de alimentos

Instalações não atendiam às normas técnicas sanitárias: a sujeira era espantosa e os produtos eram manuseados sem luvas e vestimentas adequadas

Polícia prende homem por operar fábrica clandestina de alimentos

A equipe da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon) prendeu, nesta quarta-feira (6), um homem por manter uma empresa clandestina de empacotamento de alimentos, em uma casa na Vila Maria, no município goiano de Trindade.

De acordo com a Polícia Civil (PC), no depósito, havia toneladas de sacos com farinha de mandioca, alguns em contato direto com chão em ambiente impróprio, sem nenhum controle de qualidade. Os alimentos eram rotulados com Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) inexistente.

Também foram encontrados vários sacos grandes de condimentos, dentre eles açafrão, pimenta calabresa e até bicarbonato de sódio animal sendo fracionado e embalado como humano. Os alimentos iriam ser revendidos nos supermercados.

Segundo a PC, as instalações não atendiam às normas técnicas sanitárias: a sujeira era espantosa e os produtos eram manuseados sem luvas e vestimentas adequadas.

No total foram aprendidos seis mil e duzentos quilos do material, entre farinhas e condimentos, considerados impróprios para consumo e foram descartados no Aterro Sanitário da cidade, de acordo com a PC.

O homem foi preso em flagrante e responderá pelo delito previsto no art. 7, parágrafo único da lei 8.137/90 c/c com art. 18, £6, II, III do Código de Defesa do Consumidor.

*Laylla Alves é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira