ENCONTRADO

Polícia prende foragido do DF que votou com documentos falsos em Goiânia

Além do mandado em aberto, também foi feito o auto de prisão em flagrante pelos crimes de uso de documento falso e corrupção ativa


Laylla Alves
Do Mais Goiás | Em: 30/11/2020 às 17:06:37

Polícia prende foragido do Distrito Federal após votar com documentos falsos em Goiânia (Foto: Polícia Militar)
Polícia prende foragido do Distrito Federal após votar com documentos falsos em Goiânia (Foto: Polícia Militar)

A Polícia Militar (PM) prendeu, neste último domingo (29), um foragido da Justiça do Distrito Federal, após ele votar com documentos falsos em Goiânia. Além do mandado em aberto, também foi feito o auto de prisão em flagrante pelos crimes de uso de documento falso e corrupção ativa, porquê ele ofereceu a quantia de R$ 15 mil para os policiais para não ser preso.

Por meio de informações repassadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), as equipes do Batalhão Rural da PM conseguiram localizar o foragido especializado em furtar cartões e dados de clientes no interior de agências bancárias. Ele tinha um mandado de prisão pela prática de estelionato, que foi expedido pela Justiça do Distrito Federal em razão de sentença condenatória.

Em Goiás, ele usava dados falsos e, conseguiu de forma fraudulenta, adquirir documentos legais (identidade, CPF, CNH e título de eleitor) e vivia normalmente na capital goiana passando-se por outra pessoa. Porém, no domingo, durante o pleito eleitoral, as equipes do Batalhão Rural realizaram a abordagem após ele ter votado com documentos com seu nome falso.

Ainda de acordo com a PM, com ele foram encontrados cartões bancários, possivelmente de vítimas, uma máquina de cartão utilizada para furtar o dinheiro das contas das vítimas e também vários objetos adquiridos com cartões da vítimas.

O preso foi conduzido a Superintendência da Polícia Federal em Goiânia, onde foi cumprido seu mandado que estava em aberto e também foi feito o auto de prisão em flagrante pelos crimes de uso de documento falso e corrupção ativa, pois, no momento da prisão, ele ofereceu a quantia de R$ 15 mil para a equipe da PM para não ser preso.

*Laylla Alves é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira