Apuração

Polícia investiga suposto crime ambiental em fazenda de Amado Batista, em Goianápolis

Cantor deve prestar depoimento nos próximos dias. A fazenda passa por perícia para confirmar se há autorização e se o local poderia passar por alguma construção


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 13/08/2019 às 12:44:02

(Foto: Reprodução/Mais Goiás)
(Foto: Reprodução/Mais Goiás)

A Polícia Civil de Goiás (PC-GO) apura suposto crime ambiental em uma fazenda do cantor Amado Batista, em Goianápolis, na região Metropolitana da capital. A investigação teve início na última sexta-feira (9) após prisão de um vereador do município que realizava trabalho particular na propriedade do artista com um trator da prefeitura. Apurações iniciais apontam que não havia documento autorizando o uso do veículo no local.

Conforme o delegado responsável pelo caso, Rodrigo Arana, o trator era utilizado em uma Área de Proteção Ambiental, que exige licenças ambientais para realização de qualquer empreendimento. Apesar disso, nenhuma documentação foi apresentada. A fazenda passa por perícia para confirmar se há autorização e se o local poderia passar por alguma construção.

Enquanto isso, os policiais também irão tentar intimar o cantor para prestar depoimento. A corporação também investiga mais detalhes acerca do uso da ferramenta pública na obra.

À TV Anhanguera, o cantor afirmou que fez o pedido de empréstimo da máquina direto ao prefeito da cidade. Na última sexta (9), a prefeitura de Goianápolis informou que o empréstimo está previsto em um artigo da Lei Orgânica do município, e, por isto, não configura crime. Porém, a lei estabelece que haja assinatura de um termo de responsabilidade, o que, segundo o delegado, não foi realizado.

O caso passou a ser investigado após denúncia anônima ao Ministério Público (MP) de que vereador, que não teve o nome divulgado, estaria usando máquinas em uma estrada particular dentro de uma fazenda do município. Na ocasião, o político foi flagrado enquanto operava o trator. Ele foi preso por peculato e solto depois de pagar fiança de R$ 10 mil. O homem também é investigado por improbidade administrativa. Caso fique comprovado que o cantor Amado Batista tinha conhecimento das irregulares, o artista pode responder pelos mesmos crimes atribuídos ao parlamentar.

O Mais Goiás tenta contato com a assessoria do cantor.

*Com informações do G1