PEDOFILIA

Polícia investiga homem acusado de abusar de 90 meninos no DF

Nesta terça (28), PCDF entrega primeiro inquérito sobre estupros virtuais ao Ministério Público


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 28/07/2020 às 17:26:09

Delegacia de Taguatinga (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Delegacia de Taguatinga (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) vai entregar o primeiro inquérito sobre estupros virtuais de um homem de 31 de anos, do Maranhão, ao Ministério Público, nesta terça-feira (28). Trata-se de um suspeito de pedofilia acusado de abusar de cerca de 90 meninos no DF.

Segundo informações da polícia, o homem, oriundo de Gonçalves Dias, interior do Maranhão, é suspeito de pornografia infantil e estupro virtual. As vítimas eram atraídas por perfis falsos do Instagram.

De acordo com reportagem do Correio Braziliense, uma primeira investigação indicou que 60 garotos – de 11 a 14 – foram obrigados a produzir materiais pornográficos para o pedófilo. Depois da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro) divulgar o caso, outras 30 vítimas se manifestaram. Com isso, crianças ainda mais jovens teriam sido abusados.

Josué Ribeiro, delegado responsável, disse que o criminoso trocava mensagens com meninos de até sete anos. “Ele pode ter conversado com centenas de meninos ao mesmo tempo. Além de ameaçar as vítimas para conseguir vídeos de cunho sexual, ele compartilhava essas imagens entre os garotos, incentivando-os a produzir o material pornográfico.”

Inclusive, em decorrência dos novos relatos um segundo inquérito será aberto. O homem foi preso no interior do Maranhão, no último dia 23, e teve o celular apreendido. Atualmente, o Instituto de Criminalística (IC) analisa o aparelho.

Segundo delegado, ainda não há nenhuma prova que indique que o acusado participava de uma rede de pedofilia, compartilhando os materiais dos meninos com outros homens. “Mas tudo será apurado, conforme o resultado do laudo pericial do aparelho eletrônico. Também aguardamos respostas das páginas de redes sociais, que apoiam a investigação.”

(Com informações do Correio Braziliense)

Tópicos