Do Mais Goiás

Polícia encontra altar com vela e nome de Lázaro em mata de Edilândia; vídeo

As equipes também encontraram uma rã desossada. Parte do animal já havia sido comida

A Polícia encontrou uma espécie de altar com vela acesa e o nome de Lázaro escrito em um papel, em mata de Edilândia. (Foto: reprodução)
A Polícia encontrou uma espécie de altar com vela acesa e o nome de Lázaro escrito em um papel, em mata de Edilândia. (Foto: reprodução)

Policiais que compõem a força-tarefa para capturar Lázaro Barbosa Sousa, suspeito de cometer chacina contra uma família no DF, encontraram uma vela de sete dias na região de mata de Edilândia, povoado de Cocalzinho de Goiás. A vela, que estava acesa, foi localizada ao lado de um pedaço de papel que possuía o nome do suspeito escrito à mão. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), na noite de quinta-feira (18).

A pasta estadual ainda não conseguiu confirmar se a vela foi deixada por Lázaro ou por outra pessoa. “A vela estava queimada pela metade. A gente não sabe se foi ele quem fez, mas ele estava ali”, afirmou o titular da SSP, Rodney Miranda.

Em um dos locais de mata fechada, as equipes também encontraram uma rã desossada. Parte do animal já havia sido comida. O bicho estava ao lado de um facão.

Além disso, os policiais localizaram um possível acampamento do suspeito na mata. No local, foram encontrados um colchonete, corda e lençol. A suspeita é de que os objetos sejam de Lázaro. O homem, no entanto, não foi encontrado.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Mais Goiás (@maisgoias)

As buscas pelo suspeito continuam pelo décimo dia de operação. Atualmente, cerca de 250 policiais fazem caçada ao homem.

Lázaro Barbosa é suspeito de cometer um quádruplo latrocínio no DF, e um quinto em Goiás. No último sábado, em Cocalzinho de Goiás, ainda baleou mais três pessoas. Na segunda-feira (14), ele teria invadido propriedades na zona rural de Edilândia, em busca de comida. Na tarde de terça-feira (15), em uma das invasões, o suspeito fez uma família refém, baleou um policial e fugiu por um rio.

Veja a cronologia dos crimes e principais informações reveladas até o momento sobre o suspeito.