Da Redação
Do Mais Goiás

Polícia conclui inquérito sobre morte de irmãos em ação policial em Trindade

Caso ocorreu em janeiro de 2020 e quatro policiais militares devem responder por homicídio qualificado e fraude processual

Família transforma segurança em prioridade após assassinato de irmãos

A Polícia Civil (PC) concluiu o inquérito sobre a morte dos irmãos Victor e Kaleb de Paula, de 21 e 18 anos, respectivamente, durante ação policial no Setor Maysa II, em Trindade. O caso ocorreu em janeiro deste ano, quando policiais militares (PMs) investigados afirmaram que houve troca de tiros. A família, porém, contestou a versão, apontando que os militares entraram na residência atirando.

Procurado, o delegado responsável pelo caso, André Fernandes, disse que as informações referentes à conclusão das investigações estão a cargo da assessoria de imprensa da PC. Em nota, a corporação informou apenas que o inquérito foi concluído e encaminhado ao Poder Judiciário, “a fim de que o Ministério Público ofereça agora eventual ação penal”.

Os nomes dos envolvidos e os crimes pelos quais eles foram indiciados não foram divulgados. Segundo a TV Anhanguera, porém, os militares Ricardo da Costa Faria Junior, Leonardo de Oliveira Cerqueira, Jefferson da Silva Gomes e Carlos Pinheiro Lopes foram indiciados e devem responder por homicídio qualificado e fraude processual. Todos eles integram o Batalhão de Operações Especiais (Bope).

O Mais Goiás entrou em contato com a Polícia Militar em busca de posicionamento e aguarda retorno. O Ministério Público informou que o inquérito não chegou até o órgão, já que ainda permanece na 1ª Vara Criminal de Trindade.

Relembre

Os irmãos Victor de Paula Araújo, de 21 anos; e Kaleb de Paula Araújo, de 18, foram mortos durante ação policial no setor Maysa II, em Trindade, na última segunda-feira (6). A PM afirmou que houve confronto, já a família dos jovens disse que os policiais entraram dentro da casa das vítimas atirando. “A perícia só chegou depois que os policiais limparam a cena do crime. Nós já tínhamos até entrado na casa” afirmou um familiar dos jovens ao Mais Goiás.

Segundo o homem, os policiais teriam impedido a entrada de outras pessoas na residência, limparam o local, colocaram os corpos das vítimas na ambulância, logo em seguida, liberaram o local. A família relata que, nesse momento, os dois já estavam mortos.

Em contrapartida, a corporação afirmou que os dois rapazes foram socorridos com vida, levados para hospital mas não sobreviveram aos ferimentos. Também apontou que Victor e Kaleb eram suspeitos de porte ilegal de armas. E mais: que faziam parte de uma facção criminosa.

Outra alegação é de que na casa foram encontrados dois tabletes de maconha, três armas de fogo e um simulacro de arma de fogo. Já o familiar da vítima, disse que somente Victor, de 21 anos, teria envolvimento com o tráfico. O familiar ainda afirmou que Kaleb fazia faculdade à distância.