Cidades

Polícia Civil prende responsáveis por clínica onde internos eram torturados, em Damolândia

Os casos de agressões vieram à tona por meio de denúncias de ex-internos, que eram vítimas de choques elétricos, afogamentos e agressões verbais


Thiago Burigato

Do Mais Goiás | Em: 30/06/2017 às 10:59:06


Um dos internos mostra a marca das agressões sofridas (Foto: PC)
Um dos internos mostra a marca das agressões sofridas (Foto: PC)

Uma operação da Polícia Civil na cidade de Damolândia, realizada com o apoio da Polícia Militar, resultou no fechamento da clínica Ágape, voltada para dependentes químicos, onde os internos eram alvos de violência constante. O proprietário, Marcello Pedro Santana, e o coordenador terapeuta Diego de Castro foram presos durante a ação.

Os casos de agressões vieram à tona por meio de denúncias de ex-internos, explica o delegado Humberto Teófilo, responsável pelas apurações. “Dois ex-internos, que inclusive fugiram do local, vieram à delegacia e revelaram as agressões físicas e verbais a que eram submetidos por parte dos coordenadores da clínica”, conta.

Com base nas informações recebidas, agentes se deslocaram até o estabelecimento na noite desta quinta (29), onde encontraram aparelhos de choque elétrico, medicamentos e duas armas de fogo. No momento, havia cerca de 30 internos, que confirmaram as agressões.

Em vídeos, alguns dos homens mantidos em cárcere privado na clínica revelaram os momentos de terror que viveram por lá. Foram relatados o uso de afogamentos, espancamentos, choques elétricos e ameaças constantes.

De acordo com o delegado, a clínica era mantida por familiares dos próprios internos – que pagavam valores entre um salário mínimo e R$ 1 mil – , muitos dos quais provavelmente não tinham conhecimento sobre o que acontecia lá dentro. “O contato que eles tinham com parentes era muito restrito. Acontecia apenas uma vez por mês e era sempre acompanhando por um coordenador, o que dificultava as denúncias”, explica.

As famílias estão sendo comunicadas sobre os fatos para buscarem os internos, os quais estão sendo conduzidos para a delegacia.

Outro coordenador da clínica, que estava de folga no momento da operação, deve ser ouvido pela polícia ainda nesta sexta (30).