Apurações

Polícia Civil cria força-tarefa para investigar atentado ocorrido em Itumbiara

A Operação Paranaíba reúne 13 delegados e 50 agentes e escrivães




A Polícia Civil instaurou uma força-tarefa para apurar os fatos relativos ao atentado que culminou na morte do candidato a prefeito de Itumbiara José Gomes da Rocha (PTB) e do policial militar Vanilson João Pereira. Durante o ataque, ocorrido na última quarta-feira (28), o vice-governador e Secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) José Eliton e o advogado do PTB de Itumbiara Célio Rezende também ficaram feridos.

As investigações se dão no âmbito da Operação Paranaíba, que vai reunir 13 delegados e 50 agentes e escrivães. Os trabalhos são coordenados pelo delegado titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), Douglas Pedrosa.

A criação da força-tarefa foi determinada pelo delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, Álvaro Cássio. Compõem o grupo o titular da 6ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC), delegado Ricardo Chueire; o delegado do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) de Itumbiara, Rogério Moreira; Tiago Martimiano, delegado adjunto da DIH; Maurício Massanobu, delegado de operações de inteligência e André Ganga, delegado do Grupo Tático 3 (GT-3). Danilo Fabiano, superintendente de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública e Administração Prisional (SSPAP), e Germano Castro, delegado chefe do setor de operações de inteligência da SSPAP. O delegado da Superintendência de Polícia Judiciária (SPJ), Gustavo Ferreira, é o porta-voz da Operação Paranaíba. 

O crime

O atentado foi perpetrado no fim da tarde de quarta-feira durante uma carreata de campanha de José Gomes da Rocha, de 58 anos. Na ocasião, ele estava acompanhado do vice-governador José Eliton.

Em determinado trecho do trajeto, Gilberto Ferreira do Amaral, de 53 anos, desceu de um carro, se aproximou do veículo onde estavam os políticos e efetuou diversos disparos.

José Gomes da Rocha foi atingido por um disparo que penetrou em seu ombro esquerdo, trespassou o peito e saiu pelo ombro direito. Já o vice-Governador José Eliton foi atingido por um tiro no abdômen. O policial militar Vanilson João Pereira, qua fazia a segurança dos políticos, foi atingido por um tiro na perna e outro no rosto. O advogado Célio Rezende de Faria foi atingido por um tiro no tórax. 

Gilberto portava, na ocasião, uma pistola marca Taurus modelo PT-100, já enviada ao Instituto de Criminalística para avaliação de seu número de série e verificação de procedência. Ele tinha ainda, um carregador reserva totalmente municiado em um dos bolsos. Ele foi morto por policiais militares no local do crime.

O atirador era auxiliar de serviços gerais da Secretaria Municipal de Saúde de Itumbiara. Segundo a Polícia Civil, a motivação para o atentado ainda não foi esclarecida e nenhuma hipótese foi descartada.