Receptação

Polícia apreende 7 toneladas de carne roubada em açougue na Vila Lucy

Segundo a Rotam, mercadoria é parte de carga roubada no sábado em Minas Gerais. Imagens do circuito de segurança registraram o momento da entrega; um homem está foragido


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 10/09/2018 às 10:21:38

Imagens do circuito de segurança registraram o momento da entrega; um homem está foragido (Foto: divulgação/PM)
Imagens do circuito de segurança registraram o momento da entrega; um homem está foragido (Foto: divulgação/PM)

Mais de sete toneladas de carne bovina – avaliadas em mais de R$ 60 mil, foram apreendidas em um açougue na Vila Lucy, região Sudoeste da Capital. A mercadoria faz parte de uma carga roubada, no sábado (8), na cidade de Prata (MG). O proprietário, Waynner Rodrigues, foi preso por receptação e porte ilegal de arma de fogo. A idade do suspeito não foi revelada.

De acordo com informações da Rotam, o detido revelou ter adquirido os itens de um homem chamado Rodrigo Francisley Pereira, que conseguiu fugir do local. Porém, filmagens do circuito de segurança do estabelecimento flagraram o momento da entrega. Veja:

Em outro vídeo, Waynner afirma não ter questionado Rodrigo sobre a procedência da carne porque já “tinha consciência de onde ela vinha”. Assista:

“Conseguimos visualizar o indivíduo que fez a entrega, qualificamos ele no sistema e ele possui diversos registros criminais. Tentamos encontra-lo, mas não foi possível. Passamos os detalhes para a Polícia Civil, que continuará fazendo buscas. Não temos informações sobre o paradeiro da carga”.

Além da carne roubada e de R$ 1.582, provenientes de sua comercialização, policiais encontraram uma pistola calibre 380; tudo foi apreendido. Waynner foi conduzido à Central de Flagrantes.

A operação foi uma parceria entre Rotam e agentes da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar).

Contatos

O Mais Goiás tentou contato com a Decar, mas não conseguiu falar com o titular Alexandre Bruno de Barros.

À redação, a irmã de Waynner, Tatielle Rodrigues, disse que por enquanto não comentará o caso por orientação do advogado. “Não trabalho aqui no açougue. Então tenho que me inteirar sobre o que está acontecendo para falar com vocês.