Desvio de dinheiro

PF do Maranhão deflagra Operação Sermão aos Peixes e cumpre mandado em Goiânia

Duas fases da operação estão sendo cumpridas simultaneamente. As investigações apuram o desvio de dinheiro da saúde estadual e o vazamento de informações privilegiadas


Kayque Juliano
Do Mais Goiás | Em: 18/10/2018 às 09:26:14

(Foto: Agência Brasil)
(Foto: Agência Brasil)

A Polícia Federal do Maranhão deflagrou, na manhã desta quinta-feira (18), duas fases da Operação Sermão aos Peixes, de forma simultânea: a Peixe de Tobias, na 6º fase, e a Abscondito II, na 7º fase. Estão sendo cumpridos no total 19 mandados de busca e apreensão, oito mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva nas cidades de São Luís e Imperatriz, no Maranhão, em Parauapebas, no Pará, em Palmas, no Tocantins, além de Brasília e Goiânia, no Centro-Oeste do país.Também foi determinado o bloqueio judicial e sequestro de bens num valor que supera R$15 milhões.

No decorrer das investigações da Operação Peixe de Tobias, foram coletados diversos indícios no sentido de que, entre os anos de 2011 a 2013, aproximadamente de dois milhões de reais destinados ao sistema de saúde estadual, teriam sido desviados para uma empresa sediada na cidade de Imperatriz (MA), tendo ocorrido o pagamento de valores mensais a blogueiros. A PF apura as circunstâncias do fato.

Nas investigações da operação Abscondito II, a PF apura o vazamento da primeira fase da Operação Sermão aos Peixes reunindo elementos indicadores de que membros da organização criminosa  atuaram para cooptar servidores públicos de modo a obter informações privilegiadas sobre a investigação. A PF ainda ressaltou que existem indicativos da destruição e ocultação de provas por parte da quadrilha.

Além disso, violando medidas cautelares impostas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, um dos investigados teria dilapidado seu patrimônio e transferido seus bens para terceiros visando impedir que fosse decretada a perda dos bens.

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, dentre outros que possam ainda ser apurados.
Após os procedimentos legais, os presos serão encaminhados ao sistema penitenciário estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal