Crise nos presídios

Perillo afirma ter viajado após crise penitenciária estar controlada

Declaração foi feita após governador ter sido visto em praia de Pernambuco, um dia após rebelião na Colônia Agroindustrial do Complexo Penal de Aparecida de Goiânia


Amanda Sales
Do Mais Goiás | Em: 08/01/2018 às 17:10:04

Durante coletiva de imprensa, governador afirmou não ter tirado férias, apenas um período de descanso.(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Durante coletiva de imprensa, governador afirmou não ter tirado férias, apenas um período de descanso.(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O governador Marconi Perillo (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (8), que viajou após crise penitenciária no Estado estar controlada. A declaração foi feita após críticas direcionadas ao político, que foi visto em praia de Pernambuco, onde passou três dias. O governante não era visto desde a última terça-feira (2), dia seguinte à primeira rebelião na Colônia Agroindustrial do Complexo Penal de Aparecida de Goiânia, um presídio de regime semiaberto onde nove presos foram mortos.

Após reunião com a presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, em entrevista coletiva concedida no Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), Perillo negou que tenha tirado férias, afirmando ter tirado três dias de descanso. O governador explicou ter deixado a questão sob controle, uma vez que estavam presentes e responsáveis pela situação, o vice-governador José Eliton (PSDB), o secretário de segurança pública Ricardo Balestreri e o Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP), coronel Edson Costa.

Perillo pontuou também que todos os chefes das forças de segurança mantiveram contato com ele durante a viagem. “Hoje essas questões são discutidas pela internet. É muita hipocrisia achar que um governante precisa estar fisicamente presente para resolver as coisas. Eu fiz isso, tanto é que a situação foi controlada rapidamente”, argumentou.

O governador informou que mais problemas não foram enfrentados, pois a situação já estava controlada. Marconi argumentou que todo trabalhador merece tirar férias e que ele, mesmo na posição de governador, seguiria essa regra.