Economia

Percepção de mais um ano perdido se espalha entre analistas de mercado

A brusca revisão de expectativas para o ano, feita pelo segundo maior banco do país, já vinha aparecendo: em abril, Santander e Itaú cortaram suas estimativas a 1,3%


FolhaPress
FolhaPress

Do FolhaPress | Em: 11/05/2019 às 15:23:20


(Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress)
(Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress)

A percepção de que o Brasil terá mais um ano perdido na economia se espalhou entre analistas de mercado, que promovem cortes sucessivos nas previsões de crescimento do PIB de 2019. Nesta sexta (10), o Bradesco revisou a projeção para 1,1%, corte de 0,8 ponto percentual em apenas um mês.

Se confirmado o número, o PIB (Produto Interno Bruto) terá avançado ao final deste ano à mesma taxa registrada em 2018 e em 2017. A brusca revisão de expectativas para o ano, feita pelo segundo maior banco do país, já vinha aparecendo: em abril, Santander e Itaú cortaram suas estimativas a 1,3%.

A indicação é que novos cortes continuarão a ser feitos, como reflete o mercado nas estimativas do Boletim Focus do Banco Central. Na semana passada, a previsão de PIB foi reduzida todos os dias.

Na mediana, os economistas ainda projetam avanço de 1,49% ao final de 2019. Considerando o relatório, o crescimento do PIB será 40% menor que o previsto no começo de janeiro (2,5%), quando o mercado ainda alimentava a euforia com o recém-empossado governo de Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe econômica dos sonhos.

Em 2018, corte da mesma magnitude só ocorreu em junho, um mês depois de a paralisação dos caminhoneiros travar a economia em um momento em que o país sofria também com a turbulência vinda do exterior, pela alta de juros nos Estados Unidos.

Já em 2015, no início do segundo mandato de Dilma Rousseff (PT), a revisão no crescimento foi feita ainda em janeiro. O mercado começou o ano prevendo alta de 0,48%, mas em 21 de janeiro passou a estimar 0,30%.
Naquele ano, a economia brasileira encolheu 3,5%.

“No ano passado, essa correção do otimismo foi ao longo dos meses. Neste ano ela foi feita em maio e nem saiu o PIB [do primeiro trimestre]”, diz Thiago Xavier, economista da Tendências Consultoria.

O PIB do primeiro trimestre será divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no fim do mês, e, baseado nos dados econômicos conhecidos, como produção industrial e vendas no varejo do período, a projeção é que ele tenha caído 0,2%.

O tombo do primeiro trimestre é especialmente frustrante porque mostra uma reversão de expectativas muito rápida. Os indicadores de confiança, que vinham em alta até janeiro, recuaram para níveis pré-eleitorais, e a avaliação do presidente foi posta em xeque rapidamente.

Há ainda o cenário da reforma da Previdência no radar, considerada essencial para o equilíbrio das contas públicas e também para ampliar o horizonte de planejamento dos empresários.

“Se a reforma da Previdência tivesse sido aprovada já em abril, ou mais cedo, logo depois da eleição, sem dúvida a gente estaria em cenário mais benigno”, afirma Luka Barbosa, economista do Itaú Unibanco.

Para ele, um dos problemas da economia atual é a taxa de juros em um patamar insuficiente para estimular a economia.

A Selic está na mínima histórica de 6,50% e, em reunião nesta semana, o Banco Central disse precisar de mais tempo para avaliar a economia ao mesmo tempo em que voltou a atrelar a queda de juros à Previdência.

A expectativa de Itaú e Bradesco é que a taxa básica de juros termine o ano em 5,75%, com reduções a partir de setembro.

Para Evandro Buccini, da Rio Bravo Investimentos, o problema é menos o juro básico e mais o custo do crédito, ainda caro para pequenas e médias empresas.

“Deve ser mais um ano fraco, e, para o nível de ociosidade que o Brasil ainda tem, a gente está indo para mais um ano perdido. Qualquer crescimento abaixo de 2% é ruim”, afirma Buccini.