R$ 600

Pelo menos 950 presos ou com mandados em aberto receberam auxílio emergencial em Goiás

Informação é da Polícia Civil; operação desencadeada esta semana cumpriu 106 mandados de prisão, oito deles contra criminosos que já estavam encarcerados


Aulus Rincon
Do Mais Goiás | Em: 22/05/2020 às 14:13:04

Operação da Polícia Civil perdeu 106 pessoas. Instituição revelou que 950 presos ou pessoas com mandado de prisão em aberto receberam auxílio emergencial em Goiás (Foto: Polícia Civil)
Operação da Polícia Civil perdeu 106 pessoas. Instituição revelou que 950 presos ou pessoas com mandado de prisão em aberto receberam auxílio emergencial em Goiás (Foto: Polícia Civil)

Em Goiás, 950 presos, ou pessoas que possuíam mandados de prisão em aberto, deram entrada no pedido, e conseguiram receber os R$ 600 do auxílio emergencial concedido pelo governo federal. A afirmação é da Polícia Civil, que durante uma operação que começou no início desta semana cumpriu, até o início da tarde desta sexta-feira (22), 106 mandados de prisão, oito deles contra criminosos que já cumprem pena em estabelecimentos prisionais do estado.

A Polícia Civil de Goiás chegou aos nomes dos foragidos ou presos que receberam o benefício de forma indevida após o cruzamento de informações com a Procuradoria Geral da União (PGU).

“Inicialmente a PGU nos repassou dados de 1102 pessoas, ocasião em que nós montamos uma força tarefa, e descobrimos que 950 delas estavam presas, ou eram procuradas pela justiça. É inadmissível você imaginar que alguém que cometeu um ou mais crimes, que foi preso, ou que estava foragido, receba um benefício que tem, como propósito, ajudar o trabalhador brasileiro, que neste momento tanto sofre com essa pandemia”, relatou o delegado Odair José Soares, diretor geral da Polícia Civil de Goiás.

Em depoimento, a maioria dos presos confessou que conseguiram receber a primeira parcela de R$ 600. As declarações estão sendo encaminhadas para a Polícia Federal, que é quem dará sequência as investigações. Os presos responderão por estelionato e falsidade ideológica, crimes que tem pena de até cinco anos de reclusão. O trabalho, que contou com a participação de 300 policiais civis, e mais de 80 viaturas, cumpriu mandados em várias cidades de Goiás.