Eduardo Pinheiro
Do Mais Goiás

Pedido de criação de CPI das interferências na PC deve ser feito nesta terça

Base governista tenta reverter e convencer pelo menos três deputados a retirarem as assinaturas

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) inicia, nesta terça-feira (23), a apreciação e votação de um pacote com 92 vetos do governo de Goiás
Assembleia começa a votar 92 vetos da governadoria nesta terça (Foto: Valdir Araújo)

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) pode testar a força da base governista na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). A intenção é investigar suposta interferência política na Polícia Civil (PC) e já conta com as 14 assinaturas necessárias para abertura do procedimento. O pedido para a instalação da comissão deve ser feito durante a sessão desta terça-feira (23).

A base governista tenta, entretanto, reverter e convencer pelo menos três deputados a retirarem as assinaturas . “Já protocolizamos na semana passada e pedirei ao presidente Lissauer Vieira ouvir as lideranças dos partidos para composição da CPI”, aponta o autor do pedido, o deputado Humberto Teófilo (PSL). Após o pedido, há prazo de 10 dias para que seja iniciada.

As investigações visam apurar a remoção do delegado da Secretaria de Combate à Corrupção, Rômulo Matos, durante investigações em órgãos do estado, além da remoção do delegado geral Odair José.

Assinaram a CPI: Humberto Teófilo, Cláudio Meirelles (PTC), Antônio Gomide (PT), Henrique Arantes (MDB), Major Araújo (PSL), Hélio de Sousa (PSDB), Adriana Accorsi (PT), Eduardo Prado (DC), Lêda Borges (PSDB), Alysson Lima (SD), Talles Barreto (PSDB), Gustavo Sebba (PSDB), Lucas Calil (PSD) e Paulo Trabalho (PSL).