Goiás x Flamengo

PC suspeito de balear torcedor no Serra Dourada está preso na DIH; arma foi apreendida

O torcedor foi levado para o Hugo em estado grave, mas morreu na sala de cirurgia


Rafael Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 01/11/2019 às 09:33:01

PC suspeito de matar torcedor esmeraldino é solto em audiência de custódia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
PC suspeito de matar torcedor esmeraldino é solto em audiência de custódia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O policial civil (PC) Gabriel Tortura Chaves, torcedor do Flamengo, foi preso como suspeito de ter atirado contra um torcedor do Goiás durante uma discussão na saída do jogo, na noite de quinta-feira (31), no estacionamento do estádio Serra Dourada. O esmeraldino Helenio Rodrigues Cardoso Filho foi levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), mas morreu na sala de cirurgia. Segundo relatos de testemunhas, o disparo atingiu o abdômen da vítima.

Em nota, a Polícia Civil afirma que o policial foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio tentado e está detido na Delegacia de Homicídios, em Goiânia. “A Polícia Civil de Goiás, por meio da Corregedoria, informa que o policial civil Gabriel Tortura Chaves foi autuado em flagrante, inicialmente pelo crime de homicídio tentado. Gabriel foi levado à Central de Flagrantes, teve sua arma apreendida e já foi recolhido à Delegacia de Homicídios [DIH]”.

Conforme noticiado pelo Mais Goiás, testemunhas relataram à Polícia Militar que um grupo de torcedores do Goiás tentou obrigar três torcedores do Flamengo a retirarem as camisas do corpo. Durante o desentendimento, um homem se identificou como policial civil e sacou uma pistola da cintura.

Os relatos das testemunhas narram que mesmo com a arma em mãos, o grupo de torcedores esmeraldinos avançou na direção dos rubro-negros  na tentativa de arrancarem a camisa dos rivais à revelia. Quando a briga passou para a agressão física, o policial civil teria efetuado o disparo.

A Delegacia de Homicídios de Goiânia investiga o ocorrido e o policial civil está à disposição do Judiciário para providências legais.