Agência O Globo

Pazuello pede ao STF direito de ficar calado e não ser preso na CPI

Depoimento do ex-ministro da Saúde está marcado para o dia 19 de maio

Pazuello pretende responder todas as perguntas na CPI, diz advogado Mesmo no pior momento da pandemia, governo vê Pazuello 'firme como uma rocha'
(Foto: Reprodução / Agência Brasil)

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu, nesta quinta-feira (13), ao Supremo Tribunal Federal (STF) que garanta o direito do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de ficar calado no depoimento à CPI da Covid.

A AGU argumenta que Pazuello deve poder ficar calado sempre que entender que não precisa responder a perguntas dos senadores. O órgão quer ainda que o ex-ministro da Saúde possa ficar imune a algumas medidas, como a prisão.

Em 29 de abril, a CPI da Covid aprovou a convocação de Pazuello, o que obriga o ex-ministro a comparecer à comissão, Na ocasião, o depoimento foi marcado para cinco de maio. No entanto, um dia antes ele informou ter tido contato com duas pessoas que contraíram covid e que, por isso, deveria permanecer em quarentena. O depoimento foi então remarcado para o próximo dia 19.