Gastronomia

Patisserie goiana celebra aniversário com sorteio de bolos grátis por um ano

Sablé faz sucesso com naked cakes e promove resgate da regionalidade goiana com sofisticação

Divirta-se

Altemar Santos
Do Mais Goiás | Em: 07/03/2017 às 20:36:37

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A patisserie goiana Sablé comemora neste mês de março seu primeiro ano e, para celebrar, os sócios e chefs da cozinha Sérgio de Paiva Gomes Filho e Adeyc Borges dos Santos promovem um sorteio para os amantes de doces. O vencedor terá direito a um bolo grátis por mês durante um ano, totalizando 12 bolos. A participação deve ser feita via Instagram e o regulamento está no perfil @sablepatisserie.

Com uma proposta original de uma patisserie moderna, a Sablé logo fez sucesso no ramo de festas em Goiânia com seus naked cakes que unem beleza ao sabor. Na cozinha do ateliê, localizado em uma casa no Setor Nova Suíça, são produzidos até 6 mil bombons por semana.

(Foto: Mais Cinco)

“Arriscamos ao abrir um negócio em meio à crise, em um mercado já com várias confeitarias de renome, mas cada passo foi dado com cuidado e, hoje, precisamos aumentar nossa capacidade de produção para atender a demanda”, conta Adeyc. “Todo o crescimento que tivemos em um ano, achávamos que levaria pelo menos três anos para acontecer”, revela Sérgio.

Regional

Os sócios contam que, quando pensaram em abrir juntos a patisserie, tinham propósitos bem definidos: imprimir um estilo próprio com valorização de produtos naturais e regionais. “Queremos resgatar a regionalidade goiana com sofisticação”, explica Adeyc.

Essas características podem ser observadas em todos os detalhes dos produtos da patisserie. As 45 variedades de bombom, por exemplo, incluem itens clássicos da culinária regional de Goiás, como as laranjinhas kinkan recheadas de doce de leite e as torteletes de mini figos com doce de leite e nozes.

(Foto: Divulgação)

Mas não é só nossos doces que preocupação com o regionalismo se mostra. Grande parte das frutas utilizadas nas receitas, por exemplo, vêm do quintal do ateliê.“Desde que abrimos até hoje não compramos nem um limão. Quando não é daqui do quintal, vem da fazenda da família”, conta Sérgio.

A valorização do produto local se estende ainda aos chocolates usados pelos chefs. “Sempre que podemos, usamos o chocolate brasileiro. Tem muita gente que acha que só o chocolate belga tem qualidade superior, mas nosso produto nacional, produzido na Bahia, na Amazônia, é premiado e às vezes até melhor que o estrangeiro”, afirma o chef.

(Foto: Divulgação)

Futuro

Com o ritmo acelerado do sucesso, os sócios planejam para um futuro próximo a abertura de um espaço para consumo in loco dos produtos da Sablé. “Muita gente fala que gostaria de poder vir aqui no ateliê e comer sem fazer encomenda ou atendimento por hora marcada. Por isso, queremos ter um espaço onde os clientes possam aparecer, degustar e desfrutar de um bom momento”, explica Adeyc.

Por enquanto, o foco está na produção de produtos para a Páscoa, um dos melhores momentos do ano para o mercado de chocolates. Nesta edição, a Sablé já reservou cerca de 300kg de chocolate puro para a produção de bombons, ovos de chocolate recheados, dentre outras delícias.

(Foto: Divulgação)

 

Tópicos