Meio ambiente

Parques vão receber espécies nativas do Cerrado

Os parques são Unidades de Conservação (UC) que pertencem à Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima).





//

Espécies nativas do Cerrado serão plantadas no Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco (Peamp) e no Parque Estadual do João Leite (Pejol). A preparação do local já começou e a previsão é que o plantio seja iniciado até setembro. O Peamp e o Pejol ficam na saída de Goiânia para Brasília e abrigam o reservatório de água do Ribeirão João Leite, além de uma enorme biodiversidade em fauna e flora.

Os parques são Unidades de Conservação (UC) que pertencem à Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima). Segundo o superintendente de Proteção Ambiental e Unidades de Conservação da Secima, José Leopoldo de Castro, todas as espécies são nativas do Cerrado, muitas delas frutíferas. Serão plantadas 70 mil árvores em uma área de 46 hectares. Ele explica que após três anos, a concessionária entregará os parques à Secima.

“Neste momento, estão eliminando o capim braquiária. Eram propriedades rurais com pastagens e que agora estão fazendo a composição florística. É muito satisfatório ver em um lugar que não tinha nenhuma vida, ver a vida voltando, começando a ter sombreamento por causa das árvores, a ter animais e frutas”, afirma Leopoldo.

Telma Ortegal
Entre 2012 e 2014 foi realizado um plantio de 66 mil mudas do Cerrado no Parque Estadual Telma Ortegal (Peto), na saída de Goiânia, às margens da BR-060, Km 173, município de Abadia de Goiás. O reflorestamento compensatório acontece por conta da derrubada de árvores com a duplicação da BR-060, entre Goiânia e Jataí, e é uma parceria entre a Secima e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), que realiza a obra. Segundo Leopoldo, a área totalmente reflorestada deve ser entregue à Secima ainda neste semestre.

muda-234x199De acordo com exigência legal da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), a cada árvore derrubada a empresa responsável pela obra deve compensar com o plantio de 12 novas mudas. Entre as 55.281 árvores estão presentes 80 espécies nativas do Cerrado como Ipê Rosa, Farinha Seca, Genipapo, Araticum, Baru, Araçá do Cerrado e Paineira, entre outras. A escolha da área para o reflorestamento teve a aprovação do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba, bacia esta que o Ribeirão João Leite faz parte.

O objetivo é fazer o plantio compensatório visando atender às condicionantes das Autorizações de Supressão Vegetal nº 876/2014, 938/2014 e 942/2014 emitidas pelo Ibama para a realização de obras de ampliação da rodovia BR-050, em trechos localizados nos estados de Goiás e Minas Gerais.

O projeto será executado pela concessionária de rodovias Minas Gerais Goiás S/A (MGO Rodovias) e terá duração de 36 meses, contando com a preparação da área, plantio e monitoramento para combate a pragas e incêndios, além de reposição das mudas que não conseguirem sobreviver.