A FAVOR

Conselho de Medicina pede que academias sigam autorizadas a funcionar

Presidente Leonardo Reis defende que governo libere academias porque exercícios melhoram saúde

vini testeCidades

Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 21/05/2020 às 15:48:12

Academias têm autorização judicial para funcionar em Goiás. Foto: Pixabay
Academias têm autorização judicial para funcionar em Goiás. Foto: Pixabay

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) entende como essencial a atividade das academias. Segundo o presidente Leonardo Mariano Reis, desde que não haja aglomeração e seja respeitada a assepsia, inclusive com uso de máscaras – e óculos de proteção, se possível –, não há problema.

Destaca-se que o desembargador Gilberto Marques Filho autorizou a retomada do funcionamento de academias durante a pandemia do novo coronavírus desde que com capacidade limitada: 30% da lotação. Ele ainda estipulou o respeito às demais normas sanitárias, tais como distanciamento entre alunos e a higienização dos equipamentos. A decisão atende a pedido do Sindicato dos Profissionais de Educação Física de Goiás (Sinpef) e do Sindicato das Academias de Goiás (Sindac), com base no decreto do governo federal, que considerou esta atividade essencial – o Estado não havia autorizado a retomada.

“Concordo que é essencial. Melhora o sistema imunológico, o bem-estar psíquico. É importante”, justificou o médico. Questionado sobre o Estado – o Ministério Público de Goiás (MP-GO) recorre deste liberação –, Leonardo afirma que o próprio governo deve emitir um novo decreto, nos próximos dias, que preveja essa liberação. “Uma hora precisaríamos abrir, com muito cuidado e muita responsabilidade.”

Riscos

Questionado dos riscos, ele explica que quando a pessoa se exercita, respira muito e há uma grande possibilidade de emissão de gotículas e perdigotas (salpicos de saliva). Dessa forma ele avalia, mais uma vez, que os 30% de permissão de público é razoável.

“Dá para manter um distanciamento interessante.” Além disso, ele defende a preferência pelo atendimento individualizado. Sobre os profissionais, ela diz acredita que eles tenham as noções básicas para atender os clientes e auxiliar na higienização. “Mas se puder, fique em casa. E se for correr na rua, vá de máscara.”

Presidente do Cremego, Leonardo Reis (Foto: Divulgação)

Vai recorrer

Apesar deste entendimento, o MP-GO irá recorrer da decisão que autorizou a reabertura das academias no Estado. O pedido de suspensão da liminar deve ser protocolado ainda nesta quinta-feira (21). As informações foram confirmadas pela assessoria de imprensa do órgão.

Na manhã desta quinta, a Justiça concedeu liminar e permitiu que as academias voltem a funcionar desde que atendam com 30% da capacidade total. Os locais também precisam adotar medidas sanitárias para evitar a propagação do coronavírus como distanciamento entre alunos e higienização dos equipamentos.

Entidades alegaram que o ato estadual não pode sobrepor o nacional. No entanto, liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) garante autonomia desse tipo de decisão aos estados e municípios.