Extorsão

Paciente é presa após pedir dinheiro à psicólogo para não ‘vazar’ vídeo íntimo dos dois

Segundo a polícia, ela exigiu R$ 1 mil reais para não contar sobre o caso com o psicólogo casado e mostrar as imagens para a esposa da vítim


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 27/08/2019 às 15:01:23

Os vídeos e fotos usados para chantagear o psicólogo foram entregues à polícia. (Foto: Reprodução/RICTV)
Os vídeos e fotos usados para chantagear o psicólogo foram entregues à polícia. (Foto: Reprodução/RICTV)

Uma paciente de um psicólogo foi presa por extorsão, nesta segunda-feira (26), no bairro Sítio Cercado, em Curitiba, depois que exigiu R$ 1 mil reais para não divulgar vídeos e fotografias dos dois em momentos íntimos. As informações são da RICTV, emissora da TV Record.

Segundo a polícia, a suspeita teve relações sexuais com o psicólogo que é casado há 23 anos. Depois disso, ela passou a exigir dinheiro para não contar sobre o caso extraconjugal para a família do homem e também para não espalhar as imagens. “Ela era paciente dele nesse consultório de psicologia e ela ameaçou de contar à família e, inclusive, ao órgão de classe”, explicou o delegado Rinaldo Ivanike.

Em entrevista à RICTV (TV Record), a jovem declarou que tomou a decisão de chantagear o psicólogo porque ele havia prometido que iria ajudá-la com dinheiro, mas não cumpriu o combinado. “Ele falou pra mim sair da casa da minha mãe e alugar uma casa que ele ia me sustentar e ajudar eu e meu filho. Depois disso, ele começou a falar que não dava, não podia, que era pra mim esperar”, disse.

O homem, que não quis se identificar, afirmou que saiu apenas duas vezes com a jovem e que os vídeos e fotos íntimas foram tirados por insistência dela.

A mulher foi presa em flagrante logo depois de receber os R$ 1 mil reais pagos pelo psicólogo. Um telefone feito pela ela também é usado como prova. Nos áudios, a suspeita ameaça a vítima e afirma que irá contar a esposa que, inclusive, foi na residência do casal.

O crime de extorsão é inafiançável e pode acarretar em um pena de 4 a 10 anos de prisão. (As informações são da RICTV  – Record)