Do Mais Goiás

Otto Alencar para Nise Yamaguchi: ‘A senhora não sabe nada de infectologia’

A médica, defensora da cloroquina, não soube responder a maioria das perguntas feitas pelo senador, que também é médico

Médica Nise Yamaguchi é ouvida pela CPI da Covid, no Senado (Foto: Reprodução/TV Senado)
Médica Nise Yamaguchi é ouvida pela CPI da Covid, no Senado (Foto: Reprodução/TV Senado)

Chamada para depor na CPI da Covid nesta terça-feira, a médica oncologista Nise Yamaguchi, um dos suportes do presidente Jair Bolsonaro na área da Saúde, deixou sem resposta uma série de questionamentos feitos pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), que também é médico, a respeito da natureza do coronavírus.

Otto pergunta a Nise se ela sabe a diferença entre um vírus e um protozoário. Ela responde que o protozoário tem um organismo celular e os vírus têm DNA ou RNA. Otto rebate: “Não é isso. Não é isso, não. A senhora não soube nem explicar o que é um vírus”.

O senador pergunta sobre exames necessários antes de se receitar cloroquina. Nise afirma que tratou mais de 300 pessoas com o medicamento. O senador diz que receitar o remédio sem exames é “antiético e errado”. “A senhora não sabe nada de infectologia. Percebi logo no início. A senhora não podia estar de jeito nenhum debatendo um assunto que a senhora não tem nenhum domínio”, pontuou.

Otto também questiona a médica sobre a primeira aparição da COVID no mundo. Nise remexe papéis. “Pode buscar nos livros que a senhora tem aí porque a senhora não sabe. Não estudou. De médicos audiovisuais este plenário está cheio.”
O dialogo continua. Otto questiona se Nise tem uma data, e ela responde que iria fazer algumas considerações. “A senhora não tem. Uma arca de Noé conduzindo a ciência no Brasil”.
Na opinião do senador, Nise brinca com a saúde no Brasil recomendando remédios sem eficácia comprovada, participando de um gabinete paralelo do Ministério da Saúde e mentindo na CPI da COVID. “A senhora brincou com a saúde do povo brasileiro, falando em imunidade de rebanho, hidroxicloroquina, tratamento precoce”, afirmou.