Operação Robespierre cumpre mandados contra empresa de comunicação por improbidade em Formosa

Proprietário da empresa é investigado por improbidade administrativa consistente em desvio de recurso público. O crime, segundo o Ministério Público, ocorreu em 2018


Jessica Santos

Do Mais Goiás | Em: 25/06/2019 às 10:49:48


(Foto: Divulgação/MP)
(Foto: Divulgação/MP)

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) e a Polícia Civil (PC) cumprem, na manhã desta terça-feira (25), dois mandados de busca e apreensão na empresa Criativa Comunicação Visual e na residência do proprietário do estabelecimento, em Formosa. Segundo informações do MP, o dono da empresa, Alex Moreira, é investigado por improbidade administrativa consistente em desvio de recursos públicos, em 2018.

Durante a apuração, o órgão descobriu que no 2° semestre do ano citado o município executou a contratação de serviço publicitário no valor de R$761 mil com a empresa em questão. O valor pago teria superado, em apenas seis meses, a prestação de serviço contratada nos últimos quatro anos.

Ainda conforme o órgão, foi constatado que a campanha eleitoral do ex-secretário de finanças de Formosa, Luís Gustavo Nunes de Araújo, candidato a deputado estadual no pleito de 2018, foi realizada empregando recursos e servidores públicos municipais, tendo o material publicitário de campanha sido produzido pela empresa Criativa.

“Identificamos que a Prefeitura executou um contrato com uma única empresa e o valor pago ultrapassou a contratação feita nos últimos quatro anos. Coincidentemente ou não, 2018 foi um ano eleitoral. Ouvimos testemunhas aqui e ali, e descobrimos que a empresa e alguns servidores foram utilizados na campanha do então secretário Luis Gustavo”, disse o promotor Douglas Chegury ao Mais Goiás.

Conforme ele, o esquema consistia na criação de artes por funcionários da Prefeitura, que eram obrigados a realizarem o serviço sob ameaça de dispensa. Depois de elaboraram o material, enviavam o conteúdo, via e-mail, à Criativa para a impressão.

Ainda segundo o promotor, diversos serviços estabelecidos no contrato não foram realizados, como a criação de material para Outdoors, no valor de R$ 12 mil, por exemplo.

(Foto: Divulgação)

 

No cumprimento dos mandados, foram encontrados documentos e materiais que corroboram com a investigação. “Iremos realizar outras oitivas e ouvir novas testemunhas para identificar mais pessoas envolvidas no crime e recuperar o dinheiro. A investigação deve ser finalizada nos próximos quinze dias”, afirmou.

O dono da empresa e o ex-secretário Luis Gustavo devem ser indiciados pelos crimes de improbidade administrativa, peculato e organização criminosa.

Defesas

Por telefone, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Formosa informou que a investigação refere-se à gestão anterior, mas disse que o órgão está à disposição do MP para colaborar com as apurações. Além disso, foi informado que a prefeitura já está em processo de revisão dos contratos de comunicação visual, de modo a garantir transparência e lisura.

Alex Moreira, dono da Criativa, disse à reportagem que estava voltando de viagem quando foi comunicado da ação. Ele informou que irá se posicionar após tomar conhecimento do cumprimento dos mandados.

Este portal também tenta contato com a defesa de Luis Gustavo e deixa espaço aberto para o pronunciamento do ex-secretário.