Produto impróprio

Operação apreende 1,4 tonelada de carne clandestina em Bela Vista de Goiás

Fiscalização esteve em 36 estabelecimentos do município, sendo que em 21 deles algum tipo de irregularidade foi encontrada


Amanda Sales
Do Mais Goiás | Em: 22/05/2018 às 17:18:42

Produtos estavam mau acondicionados (Fotos: Acervo do CAO Consumidor/ MPGO/ Reprodução)
Produtos estavam mau acondicionados (Fotos: Acervo do CAO Consumidor/ MPGO/ Reprodução)

Uma operação que faz parte do Programa Goiás Contra a Carne Clandestina visitou 36 estabelecimentos em Bela Vista de Goiás e apreendeu 1,434 toneladas de carne clandestina entre os dias 14 e 18 de maio. De todos os locais visitados, 21 apresentaram algum tipo de irregularidade. A ação foi uma parceria entre o Ministério Público do Estado, Agrodefesa, Procon Goiás, Superintendência de Polícia Técnico-Científica, Polícia Civil, Vigilância Sanitária Estadual (Suvisa) e Vigilância Sanitária municipal.

O gerente de fiscalização do Procon Goiás, Marcos Rosa, explicou o objetivo da operação é inibir o comércio de produtos de origem animal de maneira inadequada. Ele esclarece algumas das situações mais comuns encontradas nos estabelecimentos visitados são: alimentos sem rótulo e prazo de validade, armazenamento de maneira inadequada ou fora dos padrões de higiene.

Em Bela Vista de Goiás, foram lavrados 16 autos de infração, sendo dois pelo MP e 14 pelo Procon. “Durante essa operação, em todas as cidades do interior que visitamos, é comum encontrar situações que chama a atenção. Como exemplo, encontramos açougues com carnes com grama e sujeira, o que nos induz a acreditar que os animais foram abatidos de maneira inadequada, sem respeitar as normas de vigilância sanitária”, explica Marcos.

Os estabelecimentos autuados respondem um processo administrativo junto ao Procon Goiás. Marcos esclarece que em todos os casos, durante as autuações, os comércios perdem os produtos considerados impróprios e estes são descartados pelos fiscais. Nestes casos, os comerciantes tem um prazo de dez dias para procurar o órgão e prestar esclarecimentos.

O processo administrativo, conforme esclarece o gerente, pode resultar também em multas que variam entre R$ 613 e R$ 9 milhões dependendo do estabelecimento e das irregularidades identificadas pelo Procon. Em Bela Vista de Goiás, as multas totalizaram R$ 1 mil e nenhum estabelecimento foi fechado, contudo, este procedimento também pode tomado pelos órgãos de fiscalização.

Marcos explica que as ações de fiscalização do Programa Goiás Contra a Carne Clandestina vão ser realizadas em diversas cidades do estado ao longo de 2018. Ele orienta para que os consumidores fiquem atentos e que procurem o Procon em caso de produtos de origem animal sem condições de higiene ou acondicionamento.

Para consumidores em Goiânia ou na região metropolitana, o número 151 pode ser utilizado. No interior, o órgão pode ser contactado pelo número (62) 3201-7100.

Produtos apreendidos foram descartados (Fotos: acervo do CAO Consumidor/ MPGO/ Reprodução)