Do Mais Goiás

Ocupação de leitos de UTI em Goiânia esbarra em 90%

Entre todos os pacientes que necessitaram de internação hospitalar, 45% deles precisaram de um leito de UTI

Nove hospitais privados e privados conveniados de Goiânia estão sem vagas em leitos de UTI voltados para pacientes com Covid-19 (Foto: Jucimar de Sousa/MaisGoiás)
Em 2020, ao menos 1 milhão de procedimentos não foram feitos; em SP, fila para cirurgias é de 130 mil (Foto: Jucimar de Sousa/MaisGoiás)

A taxa de ocupação dos leitos de UTI da rede municipal de saúde em Goiânia está em 87,1%. Já os leitos de enfermaria estão em 88,1%. Até agora, a maior parte das internações foi feita com pessoas na faixa etária de mais de 60 anos. Entre todos os pacientes que necessitaram de internação hospitalar, 45% deles precisaram de um leito de UTI.

De acordo com o último boletim epidemiológico, publicado na sexta-feira (9), a cidade registrou 560 novos casos nas últimas 24 horas e 46 novos óbitos. Ao todo o município teve 136.527 confirmações da infecção e alcançou a marca de 3.911 mortes causadas pelas complicações da infecção.

Do total de óbitos, 74% foi de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos e 21% de pacientes com idade entre 40 e 59 anos. Até agora, 178 jovens com idade entre 20 a 39 anos morreram devido à complicações da doença na capital.

Apesar da maior parte dos óbitos ocorrerem em pacientes com idade igual ou acima de 60 anos, a maior parte dos casos confirmados na capital ocorreu em jovens com idade entre 20 e 39 anos. A incidência de confirmações para infecção nesta faixa etária chega a 45% em Goiânia.