Do Mais Goiás

“Número de óbitos deve cair este mês”, diz secretário de saúde de Aparecida

O titular da SMS acredita a redução da média de óbitos será a partir da segunda quinzena de abril

Covid-19: mais da metade dos internados em UTI tem menos de 60 anos UTI em Aparecida (Foto: Claudivino Antunes/SecomAparecida)
UTI em Aparecida (Foto: Claudivino Antunes/SecomAparecida)

Dados epidemiológicos de Aparecida indicam que a média de número de óbitos no município deve cair a partir da segunda quinzena deste mês. A informação é do secretário municipal de saúde, Alessandro Magalhães. De acordo com ele, que também é médico, o recorde de mortes na pandemia não deve ser repetido este mês. O município registrou 239 mortes pela doença em março.

“Eu acho que não vai haver uma queda brusca, mas deve ir reduzindo aos poucos. Pode ser que tenhamos um platô e esses números começarem a cair”, declara Alessandro. Até agora, o “platô” do número de óbitos no município foi no mês de março, o mais mortífero da pandemia agora. Alessandro acredita que o recorde de mortes não vai se repetir em abril.

O secretário afirma que o número de novos óbitos indicados nos últimos boletins epidemiológicos do município, vem de diagnósticos da infecção que ocorreram entre fevereiro e março deste ano, quando a situação epidemiológica da Covid-19 estava menos favorável em Aparecida. “O tempo médio que um paciente com Covid-19 fica internado é de 12 a 14 dias. Se forem a óbito, o registro demora a entrar no sistema porque leva alguns dias para investigar as mortes”, diz.

Isolamento Social

O médico ainda defende que a tendência de redução de novos casos dos últimos 14 dias se deve a situação de isolamento social do município e a diminuição da ocupação nos leitos públicos. De acordo com Alessandro, a média da taxa de isolamento social aferida no município está em 46%. O índice de isolamento social no fim de semana ficou em 50%.

O Mais Goiás noticiou que a média de novos casos da doença apresentou aumento quando comparado ao índice do dia 4 de abril. No entanto, o Secretário de Saúde de Aparecida afirma que a tendência de queda na curva é analisada na variação de 14 dias, que é o tempo médio do ciclo da doença. Quando analisada sob esse aspecto, a média móvel de novos casos realmente tem tendência de queda.

Leitos de UTI

As taxas de ocupação de leitos da rede municipal de saúde também apresentaram melhora quando comparadas às oscilações do índice no último mês. Atualmente, a taxa de ocupação de leitos públicos de UTIs exclusivas para Covid-19 está em 73%, em Aparecida. Este mês, a taxa vem oscilando entre 65 a 80%, uma melhora em relação a variação do último mês, quando ficou entre 84 e 99%. Apenas no último dia de março, o índice chegou abaixo de 80%.

Alessandro atribui os dados positivos à estratégia da testagem em massa e ao modelo de isolamento social estabelecido em Aparecida. “A descoberta da confirmação da doença facilita o isolamento. A gente percebe também que a população aderiu ao modelo de escalonamento que favorece o distanciamento necessário”, defendeu.

A testagem em massa também permite a análise do comportamento da transmissibilidade da doença. “Hoje, o número de PCRs com a confirmação da infecção apresenta uma variação percentual de 20 pontos negativos nos últimos 14 dias”, pontua. Alessandro ainda diz que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) testa em média 1500 pessoas por dia.