Do Mais Goiás

Novo horário da Feira Hippie não atende feirantes: “nosso pedido era outro”

Portaria autoriza o funcionamento às sextas, mas proíbe atividades aos domingos. Segundo presidente de associação, remoção do domingo não foi debatida

As mudanças nos dias de funcionamento da Feira Hippie propostas pela Prefeitura de Goiânia não agradaram os trabalhadores do local. (Foto: divulgação/Prefeitura de Goiânia)
Feirantes podem fazer protesto se decreto por prorrogado por mais de 15 dias. (Foto: divulgação/Prefeitura de Goiânia)

As mudanças horário e dias de funcionamento da Feira Hippie propostas pela Prefeitura de Goiânia não agradaram os feirantes. Uma portaria que deve ser publicada nesta quarta-feira (10) deve autorizar, temporariamente, os trabalhos a partir de sexta-feira, mas proibir as atividades aos domingos. Trabalhadores consideram alterações um “erro” e dizem que o pedido deles era outro.

Em entrevista ao Mais Goiás, o presidente da Associação dos Feirantes, Waldivino da Silva, disse que os trabalhadores nunca abriram mão do funcionamento aos domingos. Segundo ele, houve uma reunião entre os representantes dos feirantes e o titular da Secretaria de Desenvolvimento e Economia Criativa (Sedec), Carlos Júnior, mas a mudança em questão não foi debatida.

“Não falamos da retirada do funcionamento aos domingos. Isso não foi comentado, jamais teríamos aceitado. Pedimos o retorno da sexta-feira para continuar a tradição dos três dias da Feira Hippie. Não era para retirar o domingo”, disse.

Na prática, a portaria determina a montagem das bancas após a 00h de sexta-feira. O funcionamento ocorrerá das 7h de sexta-feira às 20h de sábado. Já a desmontagem deve ocorrer logo após as 20h de sábado, devendo ser finalizada até às 5h de domingo. A modificação deve durar até a conclusão e entrega final das obras da Praça do Trabalhador.

“Presente de grego”

Ainda de acordo com Waldivino, a modificação proposta pela Prefeitura afetará diretamente os trabalhadores, principalmente aqueles que atuam com vendas no varejo. “O domingo é muito importante. Parte de cima da feita vai desaparecer sem funcionamento nesse dia. Tem feirantes que vendem cerca de R$ 800 reais de varejo só no domingo. Vai ser um prejuízo grande. Deram um dia, mas tiraram outro. Foi um presente de grego”, criticou.

Insatisfeitos, os feirantes devem ir até o Paço Municipal na tarde desta quarta-feira (10), para pedir a alteração da portaria. A reportagem entrou em contato com a Sedec em busca de um posicionamento sobre o assunto e aguarda retorno. O espaço segue aberto para manifestação.