No Centro-Oeste, mais de meio milhão deixou o isolamento em agosto, diz IBGE

Entretanto, conforme pesquisa divulgada pelo IBGE, a quantidade ainda é maior que a de pessoas que não adotaram restrições

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta sexta-feira, 11, dados que mostram que, conforme a pandemia perdura, o isolamento social, medida considerada eficaz na prevenção contra o novo coronavírus, é cada vez menos aderido. Conforme os números da edição semanal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD COVID19, a quantidade de pessoas que aderem rigorosamente ao isolamento social na região Centro-Oeste do país teve uma queda de 569 mil da primeira semana de julho até a última semana de agosto deste ano.

Conforme a tabela divulgada pela pesquisa, entre 28 de junho e 4 de julho (chamada semana 9), o número de pessoas do Centro-Oeste que ficaram rigorosamente isoladas foi de 3 milhões e 895 mil. Já entre os dias 16 a 22 de agosto (semana 15), a quantidade de pessoas isoladas contra o coronavírus caiu para 3 milhões e 326 mil.

A queda foi semelhante entre aqueles que só saíram de casa por necessidades básicas. Na semana, o número desse perfil estava em 6 milhões e 996 mil. Na semana 15, caiu para 6 milhões e 404 mil. Uma decréscimo de 592 mil.

Cenário nacional

No contexto geral, a pesquisa estimou em 4,5 milhões a população que não fez restrição na semana de 16 a 22 de agosto, número que representa estabilidade em relação à semana anterior.

Ainda de acordo com os dados divulgados, no mesmo período, o número de pessoas que reduziram o contato, mas continuaram saindo ou recebendo visitas aumentou em 1,9 milhão. Da primeira para a segunda semana de agosto, 2,9 milhões de pessoas a mais afirmaram ter reduzido o contato, embora continuassem saindo ou recebendo visitas.

Quanto à quantidade de pessoas que ficaram em casa e só saíram por necessidade básica se manteve estável na terceira semana de agosto, com 87,6 milhões de indivíduos.

Porém, o número de pessoas que não adotou medidas restritivas contra a covid-19 na 3ª semana de agosto foi mínimo. Segundo a pesquisa da PNAD, 2,1% da população não fez restrição, enquanto 41,5% ficou em casa e só saiu por necessidades básicas.

Pessoas que reduziram contato mas continuaram saindo de casa e recebendo visitas respondem por 36,2% do total pesquisado. Já as pessoas que ficaram rigorosamente isoladas, e que diminuíram, conforme apontado pela pesquisa, correspondem a 19,7%