INUSITADO

Neto do último presidente da ditadura defende ausência de Trump na posse de Biden

Segundo Paulo Figueiredo Filho, avô - João Figueiredo - também não compareceu à posse de seu sucessor, que chega ao poder de forma ilegítima. "Agiu conforme suas convicções. Assim devem fazer os homens de caráter"


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 08/01/2021 às 18:29:29

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

“Meu avô também não compareceu à posse de seu sucessor, que chega ao poder de forma ilegítima”, disse Paulo Figueiredo Filho, neto do último presidente da ditadura militar (general João Figueiredo) no Twitter, nesta sexta (8). A postagem foi uma defesa a decisão de Donald Trump de não comparecer à posse de Joe Biden, nos Estados Unidos.

Vale destacar, não há nenhuma evidência de fraude na eleição dos Estados Unidos, que confirmou Joe Biden vitorioso. Inclusive, o Congresso dos EUA já ratificou a vitória do democrata.

Depois da reação em massa a postagem, ele fez nova publicação: “Foi só eu fazer um post sobre Trump e meu avô que os sujinhos da esquerda apareceram por aqui com ataques de pelancas. Teve até jornalista do Intercept. Muitos posts com ameaças, xingamentos e até guilhotina. Tudo ódio do bem! Como eu posso não amar essa gente?”, escreveu.

E ainda: “Obviamente estes aprenderam história do Brasil, interpretação de texto e o próprio conceito de legitimidade na escola brasileira, então vocês imaginam o festival de imbecilidades né?”

Mais cedo, também no Twitter, o presidente dos EUA Donald Trump escreveu: “A todos aqueles que perguntaram, eu não vou à cerimônia de posse em 20 de janeiro.”

Nos Estados Unidos é comum presidentes que deixam o cargo participarem da posse do sucessor. Inclusive, Barack Obama esteve no evento e cumprimentou Trump, em 2017. Somente três não participaram: John Adams (em 1801), John Quincy Adams (em 1829) e Andrew Johnson (em 1869).