Cidades

Mulher é presa por mandar matar o próprio irmão por herança em Campinorte

Segundo o delegado, a irmã pagou R$ 5 mil para execução do crime motivado por briga de herança


Joao Paulo Alexandre

Do Mais Goiás | Em: 12/01/2018 às 12:38:44


Mulher alegou que era constantemente ameaçada pelo irmão (Foto: PC)
Mulher alegou que era constantemente ameaçada pelo irmão (Foto: PC)

Um mulher foi presa na tarde desta quinta-feira (11) por ter sido a mandante de matar o próprio irmão em Campinorte, cidade a 329 km de Goiânia. A vítima, Valcione Alves dos Santos, de 35 anos, foi morto na madrugada do último dia 22 de dezembro com golpes de barra de ferro e madeira dentro da casa que morava.

De acordo com o delegado que esteve à frente do caso, Natalício Cardoso, Leiguimar Alves dos Santos alegou que sofria constantes ameaças do irmão por causa de uma herança. “Segundo a mulher, o irmão não estava satisfeito com a repartição dos bens de seus pais e era constantemente ameaçada pela vítima, que queria que ela transferisse a casa que lhe foi dada”, conta o delegado.

Para a execução do crime, a mulher contratou o servidor municipal Héber da Silva Gonçalves, conhecido como “Goiano”, pelo valor de R$ 5 mil. O executor do crime contou com ajuda de um homem que ainda encontra-se foragido e, por isso, não teve a identificação revelada. O delegado afirma que ambos não têm antecedentes criminais.”No dia do crime, os dois entraram na residência de Valcione e aguardaram o mesmo chegar. Quando a vítima chegou, foi atacada com os golpes dos objetos”, fala o delegado.

Héber já concorreu ao cargo de vereador na cidade. “A mulher pagou R$ 3 mil como uma ‘entrada’ e os outros R$2 mil foi pago após o êxito do crime. Héber contou que pagou R$ 500 para o comparsa e ficou com o restante do dinheiro. Ele ainda contou que a Leiguimar ainda cobrava constantemente a rapidez na ação. No dia do velório do irmão, testemunhas nos contaram que viram a mulher chorar muito no local”, destaca Cardoso.

O delegado comenta que a mulher já havia realizado um Termo de Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por ameaça contra a vítima bem antes da execução do crime. “Apesar disso, o crime causou comoção na cidade, já que ele era bastante conhecido e era motorista do Conselho Tutelar”, relata Cardoso.

Héber continua detido no presídio de Campinorte e Leiguimar foi transferida para a unidade prisional de Uruaçu, por contar com cela feminina. Ambos responderão por homicídio duplamente qualificado.