Jessica Santos
Do Mais Goiás

Mulher diz que abandonou bebê em Nerópolis por medo do marido e da mãe

Ela confessou que tomou remédios abortivos para forçar o nascimento da criança e abandoná-la O recém-nascido não resistiu e morreu

A mulher que abandonou um bebê em Nerópolis disse cometeu o crime por medo da reação do marido e da mãe dela. (Foto: PM/ Divulgação)
A mulher que abandonou um bebê em Nerópolis disse cometeu o crime por medo da reação do marido e da mãe dela. (Foto: PM/ Divulgação)

A mulher que abandonou um recém-nascido em um saco de lixo em Nerópolis confessou que tomou remédios abortivos para forçar o nascimento do bebê e abandoná-lo. Em depoimento à Polícia Civil, ela contou que cometeu o crime por medo da reação do marido e da mãe dela diante da gravidez. A suspeita foi detida na última sexta-feira (2), mas liberada por não estar em situação de flagrante. O bebê chegou a ficar internado, mas morreu na quinta-feira (1º).

Segundo relata o delegado André Fernandes, a mulher foi encontrada por equipes da Polícia Militar (PM), após denúncia anônima. Ela foi encaminhada à Delegacia de Nerópolis e confessou o crime.

“Ela confessou toda a prática e justificou dizendo que quis fazer um aborto por ter medo da reação da mãe e do marido, que havia manifestado que não queria ter mais filhos, pois já possui outros de relacionamento anterior”, disse o investigador.

Ainda conforme o delegado, a mulher tomou a decisão de abortar o filho sozinha, mas teve ajuda de outras pessoas para conseguir os instrumentos necessários para que o nascimento provocado pudesse acontecer. A relação da mulher com os supostos envolvidos, porém, não foi informada.

Família não sabia

Durante o interrogatório, a suspeita contou que estava no sétimo mês de gestação, mas que nenhum familiar sabia da gravidez. “Apesar do avançado estágio da gravidez, a barriga dela não estava grande. Ela não fez pré-natal e não teve nenhum cuidado médico, inclusive apresentava sangramentos até o dia em que foi detida”, disse.

O marido da mulher também foi ouvido e informou que não tinha conhecimento da gravidez. A suspeita confirmou a versão do homem.

Ainda conforme o delegado, a investigada demonstrou arrependimento e preocupação com a saúde do recém-nascido. “Ela disse que faltou coragem para se apresentar à Polícia espontaneamente e se mostrou arrependida. A todo momento ela perguntava como estava a criança”, afirmou.

A mulher responderá pelo crime em liberdade. O delegado André Fernandes deve ouvir outros envolvidos nos próximos dias.