Respira por aparelhos

Mulher baleada no rosto por ex-companheiro, em Nova Crixás, está em estado grave

Suspeito teria matado um homem por curtir a foto da ex-esposa em uma rede social

Cidades

Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 14/02/2020 às 17:03:33

(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Segundo boletim do Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), a professora Gleide Batista dos Santos (41), que foi alvejada com um tiro no rosto pelo ex-companheiro, o caminhoneiro Júnior Wagner Moura Gomes (45), em Nova Crixás, permanece em estado grave. “Encontra-se na UTI da unidade com o estado geral grave e respirando com a ajuda de aparelhos”, informou por meio de nota. Ela passou por uma cirurgia na última quinta-feira (13).

Jocilaine Braz Batista, delegada responsável Delegacia Regional de Porangatu, que atende Nova Crixás, informou que o autor do crime permanece foragido. Apesar da polícia já ter pistas da localização, a delegada não pôde dar detalhes, pois investigação está em andamento. Gilvan Jesus de Sousa (41), que era pedreiro, também foi morto por Júnior.

O crime aconteceu na quinta-feira (13) e teria sido motivado por ciúmes. O relacionado teve fim há cerca de dois anos e o autor, que não aceitava o término, teria ficado nervoso após ver uma foto de Gleide, em uma rede social, ser curtida por Gilvan.

O pedreiro chegou a se relacionar com Gleide brevemente, mas já não estavam juntos há mais de um ano, segundo informado pela delegada.

Crime

No dia do crime, Júnior invadiu a casa de Gilvan, que estava dormindo, e atirou no ouvido dele. O homem não resistiu e veio a óbito. A casa, no Setor Rodoviário, segundo a delegada, não tinha muro e a porta não fechava. O autor já teria essas informações.

De lá, o foragido seguiu para a residência de Gleide, no bairro Água Branca, pulou o muro dos fundos e invadiu a casa. Ele atirou três vezes no rosto da mulher e depois fugiu em Fiat Uno branco. Mais tarde, o carro encontrado pela polícia, próximo ao Rio Araguaia, nas redondezas da cidade.

A mulher estava sozinha quando o crime ocorreu. Gleibe tem dois filhos: um rapaz de 23 e uma menina de 16 anos.