NOVOS CASOS

MP registra 3 novos depoimentos contra João de Deus

Do fim de junho até agora, três mulheres formalizaram denúncias contra o médium. Desde dezembro de 2018, 600 pessoas procuraram o MP e 330 prestaram depoimentos


Laylla Alves
Do Mais Goiás | Em: 11/07/2020 às 18:28:22

(Foto: Walterson Rosa/Folhapress)
(Foto: Walterson Rosa/Folhapress)

O médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, ainda é alvo de denúncias no Ministério Público de Goiás (MP-GO). Do fim de junho até agora, três mulheres procuraram o órgão para formalizar depoimentos. Segundo assessoria do MP, os conteúdos estão em análise e podem ou não resultar em novas denúncias. Faria, que já foi condenado a 40 anos de reclusão por crimes sexuais, sempre negou as acusações e cumpre pena em prisão domiciliar atualmente, em razão da pandemia.

As novas iniciativas podem ter sido estimuladas pelo lançamento da série documental “Em nome de Deus”, que retrata os casos de abuso ocorridos na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia. A produção foi ao ar em 23 de junho, período que coincide com as três novas denúncias.

Promotor que compõe a investigação contra João, Luciano Meirelles, afirmou à redação do  G1 Goiás que “toda vez que o caso vem à tona mais pessoas procuram o MP”. Segundo ele, muitas vítimas se repreendem por vergonha e receio, no entanto, no número de novos depoimentos pode ser maior, visto que há outros cinco promotores na força-tarefa montada para apurar os crimes.

O Mais Goiás tentou contato com o promotor, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria.

João de Deus

João de Deus ficou famoso pelos tratamentos espirituais realizados na Casa de Dom Inácio de Loyola. Porém, desde dezembro de 2018 – quando programa televisivo com o jornalista Pedro Bial apresentou as primeiras denúncias informais -, 600 pessoas procuraram o Ministério Público e 330 formalizaram depoimento. O resultado disso foram as 12 denúncias emitidas pelo órgão contra o médium, totalizando 59 vítimas representadas.

Além dos crimes sexuais, o investigado recebeu denúncias de falsidade ideológica, corrupção de testemunha e coação e posse ilegal de armas de fogo e munição.

*Laylla Alves é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira