MP-GO entra com nova ação contra ex-prefeito de Luziânia por supostos crimes sexuais

Órgão solicitou bloqueio de R$ 500 mil em bens do ex-gestor. Crimes teriam sido cometidos entre 2012 e 2014

MP-GO entra com nova ação contra ex-prefeito de Luziânia por supostos crimes sexuais
(Foto: Reprodução)

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) ajuizou uma ação civil pública contra o ex-prefeito de Luziânia, Cristóvão Vaz Tormin, em virtude dos supostos crimes sexuais praticados por ele durante sua administração. O órgão pediu o bloqueio de bens de Tormin em R$ 500 mil por ato de improbidade administrativa.

A ação está relacionada a fatos que aconteceram entre os anos de 2012 e 2014. De acordo com o órgão, o ex-gestor se aproveitou do cargo que ocupava contra uma vítima que precisava de emprego. Ele teria marcado reuniões tarde da noite para cometer abusos sexuais.

Para o MP-GO, as condutas de Cristóvão Vaz Tormin ferem o Estado Democrático de Direito, por violarem a dignidade da pessoa e os valores morais e éticos da sociedade, atingindo não apenas a vítima, mas também toda a coletividade.

O Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa do ex-prefeito para comentar a ação. O espaço está aberto para manifestação.

Histórico de denúncias

Essa não foi a primeira vez que Tormin enfrenta acusações de crimes sexuais. Em 2019 o MP-GO recebeu uma série de denúncias de assédio sexual, constrangimento ilegal e de outros delitos contra a liberdade sexual, envolvendo mais de uma dezena de vítimas.

Por causa das denúncias, 10 inquéritos civis, três procedimentos investigatórios criminais e três ações penais

As informações resultaram na instauração de dez inquéritos civis, três procedimentos investigatórios criminais e três ações penais. Também levaram ao ajuizamento de três ações civis públicas.